Participamos do

Fortaleza atinge nível extremo de índice de UV e cuidados devem ser redobrados

Apesar dos altos índices, Fortaleza e Natal - ambas com 12,5- foram as capitais nordestinas com os menores índices registrados na região
17:51 | Fev. 11, 2016
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
Fortaleza alcançou o nível extremo no índice de radiação ultravioleta, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A cidade obteve o nível de 12,5 de uma escala variável de 1 a %2b14, alertando moradores e turistas acerca dos cuidados a exposição ao sol. Com o aumento do Índice Ultravioleta (IUV),responsável por medir o nível de radiação emitidas pelo sol na superfície da Terra, os riscos de câncer e danos à pele tornam-se maiores. 
 
Apesar dos altos índices, Fortaleza e Natal - ambas com 12,5 - foram as capitais nordestinas com os menores índices registrados na região. Salvador e Maceió lideram o ranking das radiações com 12,9. 
 
“Nesse período de verão e próximo de outono, que será em março, as radiações solares atingem a superfície da terra de forma mais direta, ocasionado o aumento dos índices ultravioletas”, explicou o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz, o motivo dos altos índices registrados.
 
Além disso, Raul acrescentou que em períodos de chuvas e em dias nublados os índices de ultravioleta tendem a diminuir já que a cobertura das nuvens dificulta a entrada de radiação na superfície terrestre.
 
Cuidados
Os raios ultravioletas podem causar sérios danos à saúde - envelhecimento precoce, queimadura, câncer de pele e catarata – por esse motivo é necessário adotar cuidados no dia a dia, principalmente os moradores e turistas das capitais nordestinas.
 
Segundo o dermatologista Luiz Henrique, as radiações possuem um efeito acumulativo. “O pior sol é o que recebemos nos primeiro anos de vidas (0 a 18 anos), pois quando atingimos a idade adulta podem surgir lesões provenientes das radiações recebidas durante a infância e adolescência”, explica.
 
Luiz alerta também sobre os cuidados com a exposição ao sol deve ser redobrado no período de 10 até 15h, na qual há a maior presença dos raios ultravioletas do tipo B (UVB), considerado o maior prejudicial à saúde. Enquanto, os do tipo A (UVA) possuem a mesma intensidade durante todo o dia. Mas o dermatologista explica que o problema é o exagero a exposição, pois os raios solares exercem uma importante função na síntese de vitamina D no organismo. 
 
Os fortalezenses, por sua vez, devem estar protegidos com bonés, protetores solares e óculos escuros. Além disso, o sol causa a desidratação na pele e no organismo, por esse motivo deve-se ingerir bastante água durante o dia. Os protetores devem ser repostos a cada 2h, mas quando se está em atividades expostas à luz solar, como jogar bola ou tomar banho de piscina, a reposição deve ocorrer a cada 1h.
 
Luiz Henrique também alerta sobre algumas exposições que são despercebidas pelas pessoas. “As pessoas dirigem muito e esquecem de passar protetor nas mãos, mesmo com o uso das películas nos vidros dos carros, que não é satisfatório”, afirma. 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente