PUBLICIDADE
Notícias

Propostas de educação dos candidatos ao Governo do Ceará

O POVO solicitou aos quatro candidatos ao Governo do Estado que enviassem suas propostas referentes à educação em tempo integral

08:00 | 08/09/2014

Eliane Novais (PSB)
Como diria Marina Silva, que também defende a escola integral, a educação integral requer vontade política e desejo de ensinar, atendendo ao direito de crianças e adolescentes a uma escola digna, justa e significativa em suas vidas. É, portanto, um dever do Estado que deve ser traduzido em uma política pública consistente, factível e propulsora de parâmetros que garantam equidade e qualidade de ensino. Veja alguns previstos no nosso plano de governo:
1) Criar uma rede estadual de Escolas de Tempo Integral e ampliar a cobertura do ensino de todo o Estado.
2) Implantar programas de fortalecimento do ensino médio e do ensino superior, a partir da valorização dos profissionais da educação.
3) Fortalecer os programas de Educação em Direitos Humanos nas Escolas.
4) Adequar os currículos escolares à realidade do meio rural, valorizando o potencial de geração de renda e tecnologias sociais no campo.
5) Implantar um programa de intercâmbio internacional com alunos da rede pública estadual de ensino a exemplo do programa Ganhe o Mundo, de Pernambuco.
6) Atualmente, o Ceará déficit de 637 professores com formação específica, inclusive, o maior desfalque se encontra na disciplina de artes (314), que é fundamental para a implementação da escola de tempo integral. Iremos contratar professores.
7) Passe Livre para combater a evasão escolar.

Ailton Lopes (Psol)
A concepção de educação integral que defendemos incorpora, necessariamente, as amplas possibilidades de desenvolvimento dos indivíduos que vão para além de abordagens científico conteudistas que prevalecem atualmente nas escolas; trata-se de uma escola que incorpore elementos da cultura geral, da cultura humanística e da cultura formativa de modo a equilibrar, em função dos anseios, necessidades e possibilidades de cada estudante, o desenvolvimento das capacidades de trabalhar manualmente e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento das capacidades de operar intelectualmente.

As várias manifestações das artes, como o teatro, a música, as artes plásticas e produções audiovisuais deverão compor um arcabouço de possibilidades que ofertadas às crianças, adolescentes e jovens, possam lhes permitir o desenvolvimento pleno de suas potencialidades, ao mesmo tempo em que se lhes serão oferecidas possibilidades de compreensões das interações no mundo do trabalho. Não nos referimos à concepção limitada da ideia de ocupar integralmente o tempo dessa juventude mantendo-a nas escolas preocupadas unicamente com a garantia de um trabalho manual alienante.

Todas as ações da nova escola devem fazer parte de um projeto de formação humana que, através das ciências, das artes, dos esportes, contribua para o desenvolvimento pleno das pessoas de qualquer idade; não queremos uma educação utilitária que apenas oriente os estudantes para a disputa predatória de uma possível vaga no mercado de trabalho; para nós, a continuidade dos estudos em nível superior também faz parte do direito à educação, portanto deve estar presente nos horizontes de todos os alunos da rede pública estadual. (texto componente do plano de governo).

Eunício Oliveira (PMDB)
Minha participação e dedicação a esse tema já vêm de muito tempo. Como Líder do PMDB no Senado, realizei várias reuniões, inclusive com a participação do ministro Aloizio Mercadante, à época no MEC, para aperfeiçoar e encaminhar a aprovação do PNE, que tem como uma das prioridades a ampliação do ensino integral. Nossa meta, e que eu vou buscar aqui no governo do estado, é oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas.

O ensino médio, de responsabilidade direta do Estado, precisa de mais ações nessa área. Ampliar a exposição das crianças e jovens a situações de ensino é essencial na busca pela igualdade social. No entanto, tenho mostrado que isso não significa apenas mais tempo na escola. É preciso oferecer novas oportunidades de aprendizagem por meio do acesso à cultura, à arte, ao esporte, à ciência e à tecnologia, com atividades alinhadas ao projeto político-pedagógico da escola.

Meu governo, para contemplar esse objetivo, terá o Escola Mais. Com ele, vamos cumprir a meta do PNE aplicando na prática completo do que é uma escola com um Padrão Mínimo de Qualidade. Para isso, ao invés de construirmos áreas novas, com mais gasto de dinheiro público apenas em obras, vou usar esse dinheiro em espaços públicos já existentes para a prática de esportes e de atividades culturais como as Vilas Olímpicas, as Praças da Juventude e os Centros Culturais. Uma efetiva aproximação com as universidades estaduais viabiliza o reforço de conhecimento e de acesso à tecnologia, através de estágios efetuados por estudantes universitários, supervisionados por professores, junto às escolas públicas de ensino médio, nas diferentes áreas. Temos a convicção que essa aproximação imprimirá uma nova dinâmica às escolas, valorizando também as instituições de ensino superior.

Tenho a convicção que se priorizarmos os jovens, no sentido de considerá-los em todas as suas demandas, estaremos fazendo do futuro um lugar melhor para se viver. A ideia é aproveitar bem tudo o que existe e, onde for necessário, fazer intervenções mais radicais. Principalmente no interior, existem escolas públicas estaduais sem nenhuma condição física de funcionamento. Essas serão obviamente priorizadas.

Um estudo responsável e detalhado nos permitirá identificar onde e como devemos intervir em primeiro lugar, e em que prazos daremos sequência a essas ações. O fato concreto é que temos uma evasão escolar alta, muitos alunos frequentando fora da idade adequada. A ampliação e o uso de estratégias corretas mudará esse quadro, atraindo os jovens e garantindo-lhes a oportunidade de formação para a vida e para o trabalho.



Camilo Santana (PT)
O ponto central do programa em relação ao ensino integral é a consolidação da rede de educação profissional integrada no estado do Ceará. Para tanto, Camilo Santana irá universalizar as Escolas Profissionalizantes em Tempo Integral. Hoje o Estado já conta com 104 unidades e o compromisso do candidato é levar o equipamento para todo o Estado. Outro eixo previsto nas diretrizes do Plano de Governo é o desenvolvimento de políticas de formação continuada dos alunos do ensino médio e profissional. Também estão previstas estratégias específicas para estudantes com altas habilidades. No documento Diretrizes Gerais para Elaboração de um Plano de Governo, o eixo "O Ceará do Conhecimento" estabelece os seguintes tópicos referentes à educação em tempo integral:
Ensino fundamental:
1. Apoio à expansão do atendimento à educação fundamental em tempo integral;
2. Desenvolvimento de políticas de formação continuada dos profissionais da educação fundamental nos municípios;
3. Desenvolvimento de políticas de incentivo aos estudantes na educação fundamental com o objetivo de fortalecer a transição para o ensino médio;
Ensino médio
1. Apoio à expansão do ensino médio integral com o desenvolvimento de atividades extracurriculares no contraturno escolar, focadas na ampliação do conhecimento dos estudantes;
2. Desenvolvimento de políticas de incentivo à participação dos estudantes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem);
Educação profissional
1. Consolidar a rede educação profissional integrada no estado do Ceará;
2. Expansão do atendimento à demanda por educação profissional integrada no estado do Ceará;
3. Desenvolver mecanismo para a alocação e atualização permanentes dos cursos técnicos e currículos da educação profissional, estruturados em ampla pesquisa e fontes de informações do contexto regional e potencial dos municípios;
4. Desenvolver parcerias com o setor produtivo na consolidação da educação profissional no mercado de trabalho;
5. Desenvolver mecanismos para monitorar e inserir o egresso da educação profissional no empreendedorismo;
6. Promoção de ações para articulare o ensino médio à educação profissional, privilegiando áreas estratégicas para o desenvolvimento do Estado.

TAGS