PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Professor citado por RC: "Eu não disse que era professor da rede pública há 16 anos"

O prefeito afirmou que ele é concursado da Prefeitura só desde o início deste ano. Diogo Melo explica que o número dito por ele em propaganda se refere ao tempo total de profissão

18:25 | 27/10/2016

Durante o debate entre Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR) no último domingo, 23, na TV O POVO, o prefeito acusou o adversário de mentir em programa eleitoral ao usar um professor que é concursado da rede pública municipal somente desde o início deste ano, mas que afirma que é professor há 16 anos.

RC ainda disse que "o mais grave" é que ele foi candidato a vereador da coligação de Wagner.  Na ocasião, o candidato do PR respondeu apenas a segunda declaração, dizendo que não era crime se candidatar. 

O professor em questão é Diogo Melo, que ensina ciências e biologia há mais de 16 anos, segundo ele próprio. Em entrevista ao O POVO Online, confirmou que é efetivo da rede municipal só desde janeiro. "Eu não disse que era professor da rede pública há 16 anos, eu disse que era professor há 16 anos".

A reportagem assistiu ao programa eleitoral, disponibilizado pela equipe de campanha de Wagner. Na inserção, ele afirma: "Eu me chamo Diogo Melo, sou professor há 16 anos, e estou completamente inconformado com a realidade estrutural, física e comportamental das escolas municipais de Fortaleza". 

Questionado se a fala não poderia confundir o eleitor, que podia achar que o número se referia à carreira na rede pública, ele responde que "é claro que não foi proposital" e que falou a data para que vissem sua experiência. 

Na propaganda, Diogo fala sobre falta de estrutura de escolas municipais, da diferença entre as escolas regulares e as de tempo integral e da Secretaria Municipal de Educação (SME).

Experiência

"Quer dizer que a minha vida de professor começou agora, no concurso? E como eu sustentava minha família antes?", questiona o professor. Ele mostrou documentos que confirmavam experiência profissional de pelo menos 14 anos, entre escolas públicas estaduais e escolas privadas.

Sobre os outros dois anos não documentados, ele explicou que, no início da sua carreira, além de ter trabalhado em colégios pequenos sem carteira assinada, ou escolas que já não existem mais hoje em dia, fez pequenos trabalhos de substituir professores titulares. 

Antes de ser concursado, ele também foi professor substituto da rede pública municipal, em 2015, e ensinou no programa municipal Projovem. Também afirmou que participou do Programa Fortaleza Alfabetizada na gestão de Luizianne Lins (PT). 

"Quer dizer que um professor da experiência que eu tenho não tem capacidade técnica para julgar? Para elaborar uma opinião sobre a educação municipal?", questionou. 

Diogo também fez questão de afirmar que se sentiu constrangido com afirmação de RC de que "o mais grave" era ele ter sido candidato a vereador. "O prefeito tem preconceito de eu ter sido candidato a vereador. A Constituição não configura isso como crime", afirmou.

"Eu fui candidato a vereador, fui candidato ao Conselho Tutelar em 2005, eu observo, converso com as pessoas, escuto pais, conheço a realidade das escolas", defendeu-se.

O POVO Online procurou assessoria de campanha do RC, que não respondeu até o momento.

Redação O POVO Online

 

 

TAGS