Participamos do

Lira diz não acreditar em mudanças partidárias bruscas em relação à PEC

18:15 | Nov. 04, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Mesmo após as cúpulas de partidos de oposição ao governo terem reagido ao apoio dado por essas legendas à PEC dos precatórios, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quinta-feira não acreditar em mudanças na postura desses partidos. Após reunião do colégio de líderes, Lira demonstrou otimismo com a continuidade da votação da proposta, marcada para a manhã da próxima terça-feira, 9.

A PEC foi aprovada com 312 votos favoráveis - apenas quatro acima do necessário para uma mudança constitucional. O apoio da oposição foi essencial para o avanço do texto: o PDT deu 15 votos, e o PSB, outros dez.

Além das legendas contrárias, o PSDB, que tem três pré-candidatos ao Palácio do Planalto, também enfrenta pressão interna para rever a posição favorável à PEC. A legenda deu 22 votos de apoio à proposta.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Não acredito em mudanças partidárias bruscas", disse o presidente da Câmara.

O PSB ajudou na aprovação, apesar da orientação contrária do líder da legenda, Danilo Cabral (PE). A bancada tem 32 parlamentares na Câmara. Nesta quinta, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, avisou que o partido pode fechar questão contra a matéria para o segundo turno - o que deflagraria punição a deputados infiéis.

Já o PDT deu 15 votos dos 24 integrantes da bancada na Câmara. Nesta quinta, o ex-ministro Ciro Gomes anunciou a suspensão de sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto até que seu partido "reavalie" a posição na votação da PEC dos precatórios. O PDT orientou a favor da proposta.

"Temos acordo claro e transparente, proposto pelo PDT, com anuência do líder do partido", avisou Lira, em referência ao acerto para priorizar o pagamento de precatórios (dívidas judiciais) da União com Estados em decorrência do Fundef (fundo de educação básica). Como a PEC cria um limite que, na prática, adia parte dessas dívidas, os repasses demorariam a ser feitos, mas o acordo antecipa parte do pagamento.

O PSDB, por sua vez, também havia orientado sim ao texto. "Não há posição do PSDB em revisar sua postura", disse Lira.

O presidente da Câmara disse ainda que os assuntos foram tratados "de maneira clara, ampla e democrática". Ele defendeu o texto, que vai abrir espaço de R$ 91,6 bilhões no Orçamento de 2022. Parte será destinado ao Auxílio Brasil, sucessor turbinado do Bolsa Família, mas parte da oposição que votou contra a PEC teme que o dinheiro também sirva às emendas de relator, usadas para distribuir recursos a aliados do governo.

"Estamos falando em alargamento do espaço fiscal do governo para manter máquina pública", disse Lira. Ele também citou que o acordo firmado com a oposição prevê a aprovação de uma PEC para constitucionalizar o princípio de uma renda básica no País.

A votação da PEC deve continuar na terça-feira, começando pelos destaques, sugestões de mudanças no texto principal já aprovado. Depois, a proposta ainda precisa ser votada em segundo turno na Câmara para ir então ao Senado Federal. Antes, na segunda, a Câmara fará uma sessão presencial para já ir testando o quórum de deputados.

Teto de gastos

O presidente da Câmara dos Deputados disse que não há alternativa "que não seja furar o teto de gastos". Em entrevista, Lira insinuou ainda que críticas à PEC dos Precatórios são feitas por gestores de fundos que têm dívidas judiciais a receber e querem o recurso imediatamente. "Não há alternativa que não seja furar o teto. Muitos que estão administrando alguns fundos de investimentos querem é receber imediatamente precatórios. Não sobrará recursos a serem pagos em anos seguintes, todos esses recursos serão compensados no ano de 2022", afirmou.

Diante do nervosismo do mercado nesta quinta-feira, Lira disse não saber se "a Bolsa está caindo e o dólar está subindo por causa disso". "Tudo o que o mercado queria era uma definição. O que o mercado não precisa é de imprecisão, de incerteza, de boatos", afirmou.

Lira argumentou ainda que toda mudança gera instabilidade e que o mercado assimilará o resultado final da PEC. "A votação foi ontem, vamos dar tempo para serenar. Mercado se movimenta de previsibilidade. Dissemos o caminho que será feito, daí pra frente é seguir com a vida pelos caminhos que são possíveis", completou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags