Participamos do

Crise elétrica: acaba hoje prazo para grandes indústrias aderirem ao programa de redução de demanda

O programa prevê o pagamento de compensação financeira a empresas que se disponham a reduzir o consumo por períodos de quatro e de sete horas por dia
10:16 | Set. 22, 2021
Autor Irna Cavalcante
Foto do autor
Irna Cavalcante Repórter no OPOVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) recebe até esta quarta-feira, 22, ofertas das grandes indústrias interessadas em participar de redução voluntária de demanda (RDV) para o mês de outubro. O programa é mais uma medida do Governo para tentar garantir o atendimento do Sistema Interligado Nacional, em meio à crise hídrica que afeta os reservatórios das usinas hidrelétricas. 

O programa de redução voluntária da demanda é voltado apenas a grandes consumidores e prevê o pagamento de compensação financeira a empresas que se disponham a reduzir o consumo por períodos de quatro e de sete horas por dia.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

De acordo com o programa, a oferta mínima consiste em múltiplos produtos, em lotes mínimos de 5 megawatts (MW) para cada hora de duração da oferta, com preço estabelecido em R$/MWh, dia da semana e identificação do submercado da oferta.

Podem participar consumidores do Ambiente de Contratação Livre (ACL) ou agentes agregadores de demanda desses consumidores (geradores, comercializadores e consumidores).

 

Como aderir

Para aderir ao RDV, as empresas devem formalizar suas propostas na plataforma do programa.

È preciso também que o cadastro da empresa ofertante e do representante que registrará tais ofertas esteja concluído no sistema até às 17 horas, do dia 21 de setembro.

 

Baixa adesão

Em agosto, um levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) alertava que o programa de redução voluntária de energia voltado para grandes consumidores pode ter baixa adesão.

Segundo a pesquisa, 65% dos empresários consultados afirmam ser "difícil" ou "muito difícil" mudar o horário de operação das suas empresas para aliviar a pressão sobre o sistema elétrico no horário de pico, quando há maior demanda de energia.

 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags