select ds_midia_link from midia where cd_midia = limit 1
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Investimentos avançam 1,6% em maio contra abril, revela Ipea

Autor - Agência Estado
Foto do autor
- Agência Estado Autor
Tipo Notícia

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) avançou 1,6% em maio ante abril, informou nesta segunda-feira, 2, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Na comparação com maio de 2020, o indicador subiu 0,5%. "O avanço de 1,6% nos investimentos de maio representa uma recuperação de apenas uma parte da queda de 17,4% registrada no mês anterior", avaliou o Ipea em nota.
Em abril, os investimentos foram afetados pela forte queda nas importações, explicada por uma base de comparação elevada em março, quando foram contabilizadas muitas operações envolvendo importações fictas de plataformas de petróleo associadas ao Repetro. O indicador recuou 18% contra março.
Assim, na análise do trimestre móvel terminado em maio, o indicador continua apresentando queda em relação ao trimestre móvel anterior (terminado em fevereiro), da ordem de 19,2%. Contudo, em relação ao mesmo trimestre de 2020, o indicador de FBCF mostrou alta de 20%.
Mudanças nas regras do Repetro, o regime tributário especial do setor de petróleo e gás, vêm impactando os dados da FBCF no Produto Interno Bruto (PIB) desde 2018. De lá para cá, a variação da FBCF tem sido inflada artificialmente, devido à "importação ficta", uma operação meramente contábil, de plataformas de petróleo que nunca deixaram o País.
A FBCF é composta por máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos. Sua evolução representa aumento da capacidade produtiva da economia e reposição da depreciação do estoque de capital fixo. No resultado acumulado em 12 meses encerrado em maio, os investimentos apresentaram expansão de 7,2% contra 6,9% registrado em abril.
O consumo aparente de máquinas e equipamentos apresentou alta de 15% em maio, encerrando o trimestre móvel com queda de 32,9%. Enquanto a produção de máquinas e equipamentos destinados ao mercado interno apresentou crescimento de 4,8% no mês, a importação cresceu 82,9% no mesmo período.
"Esse comportamento volátil nos últimos meses tem sido explicado, em grande medida, pelo efeito das chamadas importações fictas. No acumulado em 12 meses, a demanda interna por máquinas e equipamentos registrou aumento de 12,5%", informou o Ipea.
O indicador de investimentos em construção civil, após o tímido crescimento verificado em março, teve a segunda queda consecutiva na margem, recuando 1% em maio. Com isso, o segmento apresentou uma queda de 4,9% no trimestre móvel.
"Na comparação interanual, o desempenho foi heterogêneo. O destaque ficou por conta do componente construção civil, que avançou para um patamar 7,2% superior a maio de 2020." Enquanto o componente outros ativos fixos recuou 4,1%, a demanda por máquinas e equipamentos, por sua vez, registrou queda de 4%", concluiu o órgão ligado ao Ministério da Economia.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags