PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Financiamento imobiliário cresce 187% no primeiro trimestre no Ceará

Dados divulgados nesta quarta-feira, 28, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) mostram que no primeiro trimestre deste ano foram contratados R$ 769,1 milhões em crédito imobiliário para aquisição de 3,8 mil imóveis no Estado

Irna Cavalcante
16:11 | 28/04/2021
O volume de financiamentos imobiliários no Ceará tem crescido acima da média brasileira (Foto: Barbara Moira)
O volume de financiamentos imobiliários no Ceará tem crescido acima da média brasileira (Foto: Barbara Moira)

Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram no primeiro trimestre deste ano R$ 769,1 milhões no Ceará. O montante é 187% superior ao registrado no mesmo período do ano passado (R$ 267,9 milhões). Este ritmo de crescimento é superior ao da média brasileira (172,7%).

O balanço divulgado nesta quarta-feira, 28, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) mostra que nos primeiros três meses de 2021 foram financiados, com recursos da poupança, 3.848 imóveis. Mais de três vezes a quantidade de unidades financiadas no primeiro trimestre de 2020.

O que demonstra o aquecimento do mercado imobiliário cearense, apesar da pandemia. Somente no último mês de março foram 1537 unidades imobiliárias financiadas no Estado. O que resultou em um volume de crédito da ordem de R$ 304,7 milhões. Foi a maior cifra obtida neste ano. Em janeiro, foram R$ 262,3 milhões contratados e, em fevereiro, mais R$ 202 milhões. No comparativo com mesmo mês do ano passado, a alta é 270%.

Brasil

No Brasil, o volume de financiamentos no mês de março chegou a R$ 18,35 bilhões, o maior volume nominal mensal registrado na série histórica iniciada em 1994. O montante foi 47,4% superior ao registrado em fevereiro e, comparado com março do ano passado (R$ 6,73 bilhões), observou-se crescimento de 172,7%.

No primeiro trimestre de 2021, o montante financiado somou R$ 43,09 bilhões, alta de 112,8% em relação a igual período do ano passado. Já no acumulado de 12 meses, entre abril de 2020 e março de 2021, o total chegou a R$ 146,81 bilhões, resultando em uma variação positiva de 76,1% em relação ao período anterior.

Captação Líquida da Poupança

A captação líquida da poupança SBPE encerrou março no negativo em R$ 4,85 bilhões. Foi a terceira queda consecutiva. Mas, de acordo com a Abecip, sazonalmente, março tende a ser um período inexpressivo em termos de desempenho da poupança.

Na série histórica iniciada em 1995, observa-se que em 59% dos meses de março a captação líquida foi negativa, além disso em 15% desses meses, não superou a tênue marca de R$ 1 bilhão.

“Contudo, não se deve ignorar o impacto do recrudescimento da pandemia. Medidas mais rígidas de distanciamento social e seus efeitos no emprego e renda podem ter afetado o comportamento dos depósitos de poupança em março”, informou a Abecip.

Outros fatores a serem levados em conta são a diminuição do valor do auxílio emergencial em 2021 e a quantidade de pessoas elegíveis ao benefício. “Com isso, o saldo da poupança SBPE encerrou março em R$ 778,8 bilhões, recuando 0,5% no mês. Em termos anuais, houve crescimento de 18,1% em relação a março do ano passado”.