PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Guedes: tivemos uma grande surpresa com atividade econômica nos últimos 2 meses

16:44 | 06/04/2021

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a recuperação econômica do País já pode ser vista pelo comportamento de indicadores como emprego e arrecadação. Em evento virtual Itaú Latam Spring Meetings, o ministro disse que isso ocorre mesmo em meio à segunda onda de covid-19, o que mostra que o País soube enfrentar a crise melhor até mesmo que países desenvolvidos. "Mesmo com crise de covid, conseguimos criar empregos no País", disse.

Para enfrentar a pandemia neste ano, o governo decidiu renovar medidas adotadas no ano passado, disse o ministro. "Com a segunda onda de covid, renovamos o auxílio emergencial para os mais vulneráveis", afirmou, ressaltando, porém, que ele será mais focado e, por isso, terá custo menor.

"Estamos repetindo o protocolo da última crise, mas com mais foco e menor impacto fiscal", afirmou. "Vamos renovar o programa de proteção de empregos, foi muito bem sucedido no ano passado", disse ele, sobre o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), que permitiu às empresas aplicarem corte de salários e jornada para evitar demissões.

O ministro ressaltou o resultado da arrecadação, que teve alta real de 4,3% em fevereiro ante o mesmo mês de 2020, e de empregos, com criação de 401 mil vagas no mesmo mês. "Tivemos uma grande surpresa com a atividade econômica nos últimos dois meses, um resultado fantástico na criação de empregos. Temos sinais de recuperação da atividade também na arrecadação."

Guedes mencionou também a aprovação, pelo Congresso, do projeto que deu autonomia do Banco Central (BC) mesmo em um momento de aumento de preços. "Estamos de volta à trajetória de reformas, aprovamos a independência do BC", afirmou. Sobre a inflação, o ministro disse que o governo não vai deixar que uma crise temporária se torne permanente.

O ministro celebrou ainda a aprovação da PEC Emergencial pelo Congresso, que permitiu um novo regime fiscal e a adoção de gatilhos quando as despesas correntes atingirem 95% das receitas para União, Estados e municípios.