PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Se lockdown continuar por mais 15 dias, barracas de praia vão demitir em maior quantidade, diz associação

Fátima Queiroz, presidente da Associação do Empresários da Praia do Futuro, destaca que 70% dos funcionários estão de férias, aguardando convocação para retorno, mas caso fim do lockdown não venha em até duas semanas, demissões virão

Samuel Pimentel
19:26 | 04/04/2021
Atualmente, 70% dos funcionários das barracas de praia estão de férias. Se reabertura não vier em 15 dias, demissões devem ocorrer, diz presidente da Associação de Empresários da Praia do Futuro. (Foto: Aurelio Alves)
Atualmente, 70% dos funcionários das barracas de praia estão de férias. Se reabertura não vier em 15 dias, demissões devem ocorrer, diz presidente da Associação de Empresários da Praia do Futuro. (Foto: Aurelio Alves)

Caso o lockdown continue por mais 15 dias em Fortaleza, as barracas da Praia do Futuro devem começar a demitir, afirma Fátima Queiroz, presidente da Associação do Empresários da Praia do Futuro. Neste domingo, 4, o governador Camilo Santana (PT), anuncia se o isolamento rígido deve continuar ou se terá início o processo de flexibilização do lockdown.

Fátima destaca que 70% dos funcionários estão de férias, aguardando convocação para retorno. Atualmente, as barracas da Praia do Futuro empregam cerca de 2 mil pessoas. Fátima diz que demissões já ocorreram, mas "pouquíssimas". "Mas se não entra renda, não temos como manter as despesas."

"Estamos prontos para reabrir, mas estamos com essa expectativa de que isso não ocorra nesta segunda-feira, 5. Estamos com tudo preparado, parte da equipe está de férias, aguardando o chamado para retorno. As barracas foram exemplo no primeiro processo de retomada no ano passado, tivemos poucas notícias de barracas descumprindo os protocolos, casos de clientes que não queriam utilizar máscaras, mas de maneira geral, nosso público colaborou. Em nenhum momento deixamos de cumprir os protocolos com rigor."

Histórico 

Na última sexta-feira, 26 de março, o lockdown havia sido prorrogado por mais uma semana, até domingo, 4 de abril,  em decisão tomada na reunião do comitê científico.

O lockdown foi decretado em Fortaleza em 3 de março e entrou em vigor em 5 de março. Seria pelo período de 14 dias, incialmente até 18 de março.

Em 11 de março, o lockdown foi estendido para todos os municípios do Ceará, a partir de 13 de março, indo até o dia 21 em todo o Ceará, inclusive em Fortaleza. Foi a primeira vez que todo o Ceará ficou simultaneamente no chamado isolamento social rígido.

Em 19 de março, o lockdown foi prorrogado até 28 de março, próximo domingo.

Em Fortaleza, os 24 dias de lockdown até este domingo já igualou o período de isolamento mais estrito de 2020, ocorrido em maio do ano passado: 24 dias.