PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Por condução da crise, ativos brasileiros são lixo do mundo, diz ex-diretor do BC

16:53 | 30/03/2021

O ex-diretor do Banco Central (BC) Luís Fernando Figueiredo considera que os ativos brasileiros negociados em bolsa tornaram-se o "lixo do mundo" em razão de descontos sofridos pela forma como o País tem administrado a crise sanitária.

Na avaliação de Figueiredo, que é sócio-fundador da Mauá Capital, a análise dos ativos brasileiros deve ser feita mais do ponto de vista local do que internacional, tendo em vista o risco fiscal causado por um déficit estrutural das contas públicas, que gera uma "dívida gigante".

"A gente não pode imaginar que, na situação atual, o Brasil vai ficar correlacionado ao mundo ou aos emergentes porque a maneira como tem sido conduzido tem sido um desastre. Não é por outra razão que os ativos brasileiros são o lixo do mundo de tão descontados", comentou Figueiredo durante participação no Encontro Daycoval - Perspectivas Econômicas e de Investimentos para o Brasil 2021, evento que tem apoio do Broadcast e do Estadão.

"Eu dou mais valor para o que está acontecendo aqui dentro, que é muito ruim e dramático ... Os ativos já embutem muito risco, muita incerteza para frente, fiscal, inflacionária", complementou Figueiredo.

Por outro lado, o sócio da Mauá considerou que o risco ao crescimento econômico parece ser menor "até onde a vista alcança". Por isso, a gestora vê maior potencial de ativos mais ligados à economia real. "A gente tem se posicionado mais nesta linha do que em renda fixa e moedas", disse.