PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Indicador de Consumo de Bens Industriais cresce 0,9% em janeiro

18:23 | 08/03/2021
indústrias; fábricas,Obras de construção do edifício sede do SENAI,  construção civil. (Foto: CNI/José Paulo Lacerda/Direitos reservados)
indústrias; fábricas,Obras de construção do edifício sede do SENAI, construção civil. (Foto: CNI/José Paulo Lacerda/Direitos reservados)

O Indicador de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou crescimento de 0,6% em janeiro em relação a dezembro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A pesquisa mostra, no entanto, que enquanto a produção interna dirigida ao mercado nacional aumentou 0,9% em janeiro, a importação de bens industriais caiu 3,6% no mesmo período.

Na comparação com janeiro de 2020, o indicador que mede a demanda interna por bens industriais, por meio da produção industrial interna não exportada, acrescida das importações, evoluiu positivamente 1,5%. Já a variação acumulada em 12 meses apresentou queda de 5,8%. O resultado do trimestre móvel encerrado em janeiro aumentou 6,6% na margem do consumo aparente. Em relação ao mesmo período do ano anterior, houve alta de 6%. Para a produção industrial, foi detectada baixa de 4,2%.

Segundo o Ipea, os resultados de janeiro não foram homogêneos entre as grandes categorias econômicas. Os segmentos de bens duráveis e intermediários subiram, respectivamente, 3,1% e 0,7%, mas, em contrapartida, a demanda por bens de capital, que é um dos componentes do investimento, experimentou redução de 28%. Apesar disso, na comparação com janeiro do ano passado, a categoria apresentou alta de 10,4%.

Em termos das classes de produção, a pesquisa do Ipea indica que a indústria de transformação apresentou desaceleração, com expansão de 0,4% em relação a dezembro, contra alta de 3,3% no período anterior. Já a indústria extrativa mineral foi ampliada em 17,4%. 

Outros segmentos com crescimento foram os de celulose (2,4%) e couro (2,1%). Na comparação com janeiro de 2020, destacaram-se os segmentos de metais e metalurgia, com altas de 19,6% e 16,3%, respectivamente, apontou o Ipea.