PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Black Friday deve ter recorde de faturamento com e-commerce, diz CNC

Eletroeletrônicos e utilidades domésticas deverão ser os principais destaques entre os segmentos na data

21:44 | 18/11/2020
Projeção aponta avanço de 61,4% nas vendas on-line, em relação à Black Friday de 2019 (Foto:  Bárbara Moira)
Projeção aponta avanço de 61,4% nas vendas on-line, em relação à Black Friday de 2019 (Foto: Bárbara Moira)

A Black Friday deste ano deve ter recorde em faturamento com e-commerce, de acordo com estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A projeção aponta avanço de 61,4% nas vendas on-line, em relação à Black Friday de 2019, e deverá movimentar R$ 3,74 bilhões, maior faturamento da data desde sua implantação no varejo nacional.

O aumento do comércio eletrônico desde o início da pandemia da Covid-19 é o principal determinante para projeção da CNC. Segundo dados da Receita Federal, de março a setembro o faturamento real do e-commerce cresceu 45%, em comparação ao mesmo período de 2019.

Leia Também | Black Friday no Brasil será no dia 27 de novembro

Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, em 2020, mais do que em qualquer outra edição, a Black Friday deverá expor a diferença de desempenho entre as lojas físicas e as lojas on-line. A CNC prevê que as lojas físicas deverão apresentar avanço de apenas 1,1%, em comparação com o ano passado.

Principais segmentos

O segmento de eletroeletrônicos e utilidades domésticas deverão ser os principais destaques entre os ramos que já aderiram à data, com previsão de movimentação financeira de R$ 1,022 bilhão. Em seguida, deverão aparecer os volumes de receita gerados pelos segmentos de hipermercados e supermercados (R$ 916,9 milhões) e de móveis e eletrodomésticos (R$ 853,4 milhões).

Em relação aos principais itens com maior potencial de descontos efetivos durante a edição da Black Friday deste ano, a CNC destaca os seguintes produtos: consoles de videogame; notebooks; games para PC; calças masculinas; e aspiradores de pó. 

De acordo com o economista da CNC, Fabio Bentes, responsável pela pesquisa, será a primeira data do varejo a registrar crescimento este ano, pelo menos até este mês. Segundo o economista, desde a Páscoa até o Dia das Crianças, todas as datas comemorativas registraram queda nas vendas.

Leia Também | Black Friday pode ser bom momento para testar Pix e pequenos comércios devem aproveitar

Pesquisa

Foram coletados, diariamente, mais de dois mil preços de produtos durante os últimos 40 dias encerrados em 15 de novembro, de modo a avaliar o potencial de desconto efetivo durante a data e realizar a projeção, informa a CNC. Pela metodologia da Confederação, um determinado item que apresenta altas expressivas, superiores a 20%, no preço mínimo praticado durante as semanas que antecedem a Black Friday possui baixo potencial de desconto efetivo.