PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Inflação na Grande Fortaleza é a segunda maior do País

Em setembro, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,22%, segundo o IBGE. No acumulado do ano, alta chega a 2,55% .

11:55 | 09/10/2020

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) da grande Fortaleza fechou o mês de setembro em alta de 1,22%. Foi o segundo maior percentual dentre 16 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Perde apenas para Campo Grande (MS), que teve alta de 1,26%. Alimentos e combustíveis puxaram o resultado.

O grupo de alimentos e bebidas, que tem o maior peso na composição do indicador (23%), foi o que apresentou a maior variação no mês, de 3,22%, na região metropolitana de Fortaleza. Destaque para o aumento nos preços do óleo de soja (33,96%), do arroz (20,58%) e feijão fradinho (20,58%). Os três acumulam no ano altas de 60,22%, 47,83% e 70,03%, respectivamente.

Segundo o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, a escalada de preços dos alimentos está muito relacionada ao dólar alto e a uma demanda interna maior. “O câmbio num patamar mais elevado estimula as exportações. Quando se exporta mais, reduz os produtos para o mercado doméstico e, com isso, temos uma alta nos preços. Outro fator é demanda interna elevada, que por conta dos programas de auxílio do governo, como o auxílio emergencial, tem ajudado a manter os preços num patamar elevado. No caso do grão de soja, temos ainda forte demanda da indústria de biodiesel”.

O grupo transporte subiu 1,39% em setembro, impulsionado pela majoração dos preços da gasolina. Também tiveram alta em setembro, os artigos de residência (0,93%), habitação (0,61%) e vestuário (0,60%).

No acumulado do ano, a inflação em Fortaleza apresenta variação de 2,55% e de 4,13% no comparativo de 12 meses. Todos esses indicadores estão acima da média do País. Em setembro, o IPCA do Brasil subiu 0,64% no mês, 1,34% no acumulado do ano e, em 12 meses, 3,14%.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento monetário de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte. A pesquisa abrange dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 28 de agosto e 28 de setembro de 2020 (referência) com os vigentes entre 29 de julho e 27 de agosto de 2020 (base).

INPC

Já o Índice de Preços ao Consumidor (INPC), que mede o impacto da inflação para famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, a alta em setembro na região metropolitana de Fortaleza foi ainda mais expressiva, de 1,36%. Este é o maior resultado em 2020 e o maior desde 1994 para um mês de setembro, quando o índice foi de 1,41%. No ano, o INPC acumula alta de 2,95%.