PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Waze, do Google, demite 5% dos funcionários por causa da pandemia

15:58 | 10/09/2020
 O CEO do Waze, Noam Bardin, fez o anúncio sobre as demissões (Foto: Divulgação)
 O CEO do Waze, Noam Bardin, fez o anúncio sobre as demissões (Foto: Divulgação)
O Google anunciou a demissão de 5% dos funcionários do Waze, seu aplicativo de navegação por GPS. Segundo o site americano The Verge, o anúncio foi feito pelo presidente do app, Noam Bardin, em comunicado via e-mail na quarta-feira, 9. Foram 30 demissões de um total de 555 funcionários na empresa e alguns escritórios na Ásia e na América Latina também serão fechados. Ao Estadão, a empresa confirmou que a operação brasileira não foi afetada e que não houve cortes por aqui.
 
O Waze viu redução de uso durante a pandemia de coronavírus, com menos pessoas saindo de casa para trabalhar ou a lazer. Em março, a empresa informou que o serviço caiu cerca de 60% em todo o mundo em média, mas alguns lugares registraram números ainda maiores, como na Itália, onde a queda foi de 90%.
 
Mesmo com a retomada em vários países, a empresa parece ainda não ter se recuperado em níveis pré-pandemia e foi necessário "repensar as prioridades", afirmou Bardin. "Decidimos concentrar nossos recursos em melhorias de produto para nossos usuários, acelerar nossos investimentos em infraestrutura técnica e redirecionar nossos esforços de vendas e marketing em um pequeno número de países de alto valor".
 
Entre os escritórios que serão fechados estão os localizados em países como Malásia, Cingapura, Colômbia, Chile e Argentina. A empresa informou, ainda, que vai manter a operação nos EUA, Reino Unido, França, Brasil, Canadá, Itália e México, por serem mercados onde o serviço está apresentando crescimento no período.