PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Em agosto, IBGE prevê alta de 40,05% na safra de grãos de 2020 no Ceará

Os dados estão no oitavo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de 2020, divulgado nesta quinta-feira, 10

12:26 | 10/09/2020
Arroz de sequeiro, arroz irrigado estão entre os produtos que variaram positivamente. (Foto: ImageParty/Pixabay)
Arroz de sequeiro, arroz irrigado estão entre os produtos que variaram positivamente. (Foto: ImageParty/Pixabay)

Em agosto, a produção esperada de grãos no Ceará é de 790.747 toneladas, decrescendo 2,3%, comparando-se ao mês anterior (809.371 t), o que significa crescimento de 70,91%, em relação ao primeiro prognóstico de janeiro deste ano (462.673 t) e de 40,05%, sobre a safra de grãos obtida no mesmo mês de 2019 (564.616 t).

Os dados estão no oitavo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de 2020, divulgado nesta quinta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No grupo de Cereais, Leguminosas e Oleaginosas, composto por 15 produtos, 13 apresentaram variação na expectativa de produção, comparando-se ao mês anterior, sendo 9 variações positivas e quatro variações negativas.

Os produtos que variaram positivamente foram: arroz de sequeiro, arroz irrigado, fava, feijão de arranca 1ª safra, feijão-de-corda 2ª safra, soja, sorgo granífero, algodão herbáceo sequeiro e amendoim. Enquanto isso, feijão-de-corda 1ª safra, milho sequeiro, milho semente irrigado e mamona tiveram variação negativa.

O crescimento da expectativa de produção do arroz de sequeiro, arroz irrigado, fava, feijão-de-corda 2ª safra e amendoim foi resultante do crescimento na área e na expectativa de rendimento. Já o feijão de arranca 1ª safra apresentou elevação na produção como resultado do crescimento apenas da área.

LEIA TAMBÉM | Safra de grãos deve ser 4,2% superior à produção de 2019, diz IBGE Frutas frescas têm saldo positivo

Nesse grupo, composto de 31 produtos, constatou-se que 18 apresentam variação na expectativa de produção, em relação ao mês anterior, sendo 11 positivas e seis negativas.

Os produtos que apresentaram variação positiva, em relação ao mês anterior foram: acerola irrigada, ata de sequeiro (pinha), banana de sequeiro, banana irrigada, caju (mesa), goiaba irrigada, graviola irrigada, limão irrigado, mamão irrigado, manga irrigada e maracujá irrigado.

Já os produtos que apresentaram variação negativa em relação ao mês anterior foram ata irrigada (pinha), ciriguela, goiaba de sequeiro, melancia irrigada, melancia de sequeiro, melão de sequeiro e melão irrigado.

Em virtude das boas chuvas que favoreceram os produtos de sequeiro e melhoraram a disponibilidade de água para a irrigação nos municípios, os produtos que apresentaram crescimento na expectativa de rendimento foram a banana de sequeiro, banana irrigada, caju (mesa), goiaba irrigada, graviola irrigada, limão irrigado, mamão irrigado e manga irrigada.

A banana de sequeiro cresceu em expectativa em Acarape, Guaramiranga e Redenção. Já a banana irrigada em Redenção e Acaraú. Além disso, em Iguatu, produtores plantaram variedades que pesam mais, aumentando assim o rendimento médio neste município.

Tendo sido o inverno bastante promissor este ano, aliado a oportunidades econômicas, a produção de caju (mesa) apresenta maior expectativa de rendimento em Beberibe, que passou a ocupar o segundo lugar no ranking, sendo superado por Aracati e ultrapassando Cascavel e Palhano.

Com isso, a produção esperada de frutas é de 987.497 toneladas, crescendo 0,91% em relação ao mês anterior (978.618 toneladas t), 12,58%, em relação ao primeiro prognóstico efetuado em janeiro/2020 (877.162 t). Em comparação à safra de frutas efetivamente obtida em 2019 (928.582 t), houve aumento de 6,36%.

Cenário da castanha de caju no Estado

 

A Castanha-de-caju (Anão) apresentou variação em relação ao mês anterior, crescendo para a expectativa de produção de 54.631 toneladas, devido à expansão da área. Em Mauriti e Redenção constatou-se que novos plantios passarão a produzir já este ano, elevando a área destinada à colheita.

No entanto, a Castanha-de-caju (Comum) apresentou redução na expectativa de produção passando para 40.927 toneladas, por causa da redução de área. Em Iguatu, a área foi reduzida, uma vez que cajueiros antigos morreram.

Em Uruburetama a área diminuiu, porque foram plantados nessas áreas mudas de cajueiro anão Precoce; e em Uruoca a expectativa de rendimento decresceu, pois são cajueiros antigos.

Em resultado, a expectativa de produção de Castanha-de-caju (total) para 2020 cresceu para 95.558 toneladas, sendo 0,07% maior que a expectativa de julho (95.488 t), 35,40% maior que a previsão realizada em janeiro de 2020 (70.576 t) e 9,01%, comparando-se à safra obtida em 2019 (87.659 t).

Tubérculos, raízes e horticultura

 

Entre os tubérculos e raízes, os produtos que variavam positivamente foram: batata-doce sequeiro, macaxeira de sequeiro, macaxeira irrigada e mandioca de sequeiro. O produto que variou negativamente foi a batata-doce irrigada.

Na horticultura oito produtos apresentaram variação na expectativa de produção, sendo os produtos que variavam positivamente: alface, cebolinha, coentro, milho em espiga e tomate. Por sua vez, jerimum de sequeiro, jerimum irrigado e pimentão foram os produtos com oscilação negativa.