Participamos do

Estudo da Fiec aponta caminhos para empresas produzirem equipamentos para o combate ao novo coronavírus

Material aborda novas tendências de produção que podem ser utilizadas com maior frequência pela sociedade
19:14 | Mai. 22, 2020
Autor Victor Hugo Pinheiro
Foto do autor
Victor Hugo Pinheiro Repórter do Esportes O POVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) já observamos inúmeras empresas produzirem equipamentos utilizados no combate ao vírus. Com isso, marcas de diferentes segmentos estão se solidarizando neste momento de mobilização global. Em virtude da onda solidariedade, o Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), desenvolveu o estudo "Estratégias para a Reorientação Produtiva da Indústria Cearense frente à Covid-19", que tem o intuito de mostrar como as empresas podem produzir produtos utilizados durante à pandemia.

O material é composto pelos seguintes assuntos: mapeamento de panorama geral; desenho técnico, materiais, equipamentos necessários; alternativas produtivas, patentes e possíveis empresas fornecedoras.

A analista de Gestão e Prospectiva Estratégica do Observatório da Indústria, Byanca Pinheiro, explica como surgiu a ideia de produção do material. "A iniciativa para produzir o material foi encabeçada pelo nosso presidente, Ricardo Cavalcante, e nasceu do aumento da necessidade do sistema de saúde se estruturar para o devido enfrentamento à crise do novo coronavírus. O Sistema Fiec, com um papel importante nesse momento, e entendendo essa necessidade, produziu o documento para incentivar àquelas empresas que estão procurando adaptar suas produções para o fornecimento dos itens mais essenciais".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Uma importante reflexão deste momento é entender quais são os produtos necessitados pelo mercado, pois não adianta produzir em larga escala o que não está sendo necessitado pelas pessoas, como afirma o economista e ex-presidente do Banco do Nordeste (BNB), Marcos Holanda.

"De uma forma geral, acho que, neste momento de Covid, o papel do governo é viabilizar capital de giro emergencial às empresas. Papel das empresas é aceitar a nova realidade, entender o que o mercado tá demandando e se adaptar. A mensagem aqui é simples: não adianta, com ou sem lockdown, ofertar o que o mercado não mais demanda", ressalta Marcos Holanda.

Apesar de efeitos negativos causados pela crise econômica, este pode ser o momento para se reinventar e produzir equipamentos que podem vir a ser mais utilizados pela sociedade.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags