PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Entidade lança guia com dicas para a reabertura de comércios

Documento da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) sugere medidas práticas para donos de comércios, em caso de eventual flexibilização de decretos de isolamentp

Luana Façanha
20:29 | 08/05/2020

A Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) produziu guia com orientações para empresários e donos de negócios sobre eventual abertura gradual de comércios no Brasil, após a quarentena. O documento foi lançado nesta sexta-feira, 8, e pretende orientar empreendedores com soluções práticas para as áreas tributária, trabalhista, financeira, sanitária etc. 

Presidente da entidade, José Roberto Tardos afirma que o retorno gradual de atividades não essenciais, que está acontecendo em alguns poucos estados, motivou a CNC à escrever o documento.

O guia foi produzido a partir de informações e documentos oficiais de órgãos de saúde, instituições públicas e privadas e do Governo Federal, com o objetivo de oferecer um suporte aos planejamentos de abertura de alguns estabelecimentos.

O documento destaca ainda orientações dos ministérios da Saúde e da Economia, aponta linhas de crédito disponíveis e faz sugestões de cronograma para a retomada de atividades.

José Roberto afirma que o setor comercial foi o que mais sofreu as consequências com o isolamento, perdendo cerca de R$ 106 milhões. Ele afirma que a CNC está integrada e alinhada à mobilização de toda a sociedade pela prevenção e redução dos impactos do coronavírus na saúde, e entende que o momento exige união e o máximo de coordenação na busca por melhores soluções.

"O equilíbrio entre a gradual normalização na circulação das pessoas, o apoio para a subsistência de pessoas e empresas e a prioritária proteção da população determinará o nível de sucesso do Brasil em superar esta crise sem precedentes".

O documento já está sendo compartilhado por sindicatos, associações e entidades representativas, e pode ser conferido a partir do link.

“O cronograma sugerido pela CNC é feito de quatro etapas, que abordam o risco de aglomeração, o atendimento a grupos de risco, essencialidade do serviço e potencial contato físico com clientes” afirma José Roberto Tardos.

Fabio Bentes, economista da CNC, explica que a adoção de estratégias de vendas por canais digitais, como o e-commerce, e de serviços de entrega (delivery) é determinante para reduzir as perdas de por conta do fechamento temporário de lojas presenciais.

“É essencial manter contato com os clientes para minimizar esse distanciamento. Quem está aberto utilizar os contatos online, as redes sociais, e quem está fechado procurar informar, na medida do possível, previsão de data de reabertura. Além disso, outra medida importante é intensificar serviços de entrega, principalmente, ou take away para restaurantes, o que incorre em algum tipo de taxa para as empresas, mas neste momento é melhor assumir essas taxas que não ter receita alguma.”


Acesse a cobertura completa do Coronavírus >