PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Para ministro de Minas e Energia e diretor da ANP, megaleilão foi um 'sucesso'

14:23 | 06/11/2019
O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, classificaram o megaleilão de pré-sal desta quarta-feira, 6, como um "sucesso", embora a Petrobras tenha ficado praticamente sem concorrência. Além da Petrobras, apenas as chinesas CNOOC e CNDOC apresentaram propostas, com participações de 5% cada uma no consórcio liderado pela estatal.
Dos R$ 106 bilhões de bônus de assinatura definido para as quatro áreas em edital, a Petrobras vai pagar quase a totalidade dos R$ 69,9 bilhões, o equivalente a 66% do total.
"O dia é marcante, simbólico e de muito sucesso. O valor arrecadado em leilão no ano já soma R$ 79 bilhões. O bônus pago até hoje corresponde a 40% do total pago no mundo. Estamos no caminho certo. Os leilões são motivo de orgulho", disse o ministro Bento Albuquerque.
Albuquerque destacou a complexidade regulatória do leilão e argumentou que o valor total pago em bônus, o maior já registrado no mundo, demonstra que o "governo está no caminho certo" e tomou as medidas corretas para viabilizar a licitação.
O diretor-geral da ANP ainda acrescentou que a realização da concorrência vai contribuir para destravar investimentos, gerar empregos e renda.
Apesar de classificar o resultado como exitoso, o ministro de Minas e Energia informou que poderá rever a metodologia de licitações futuras. Mas isso só vai acontecer após a licitação da quinta-feira, 7, a 6ª Rodada de Partilha, também de pré-sal.