PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Mais de 83% dos empregos formais gerados na RMF são intermitentes ou em tempo parcial

Entre novembro de 2017 e maio deste ano, as modalidades consideradas são responsáveis por 27,1% empregos gerados em todo território nacional e por 65,8% no Ceará

10:51 | 18/09/2019
Dados foram divulgados nesta quarta-feira, 18
Dados foram divulgados nesta quarta-feira, 18(Foto: Agência Brasil)

Oito em cada 10 pessoas empregadas na Região Metropolitana de Fortaleza entre novembro de 2017 e maio deste ano foram contratadas nos regimes intermitente ou em tempo parcial. A análise foi divulgada na manhã desta quarta-feira, 18, pelo Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT). O estudo é decorrente das alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) implementadas a partir da vigência da lei 13.467, de 13 de julho de 2017 - popularmente conhecida como reforma trabalhista.

No período analisado, 7.166 dos 10.893 trabalhadores contratados no Estado foram registrados em regime intermitente ou em tempo parcial - o número corresponde a 65,8% do total. Na Região Metropolitana de Fortaleza, os números são ainda maiores, resultando em 83,6% dos empregos gerados no período. Ao mesmo tempo, as modalidades consideradas foram responsáveis por 27,1% empregos gerados em todo território nacional.

Mardônio Costa, analista do IDT, explica que o atual momento da economia motiva as empresas a reduzirem custos fixos operacionais. "Nessas modalidades, a empresa passa a pagar apenas por aquelas horas trabalhadas e não o salário fixo mensal". Segundo ele, o elevado desemprego, o consequente baixo consumo e o baixo nível de crescimento econômico levam aos resultados observado no estudo.

Foram consideradas séries não ajustadas dos números de admissões, de desligamentos e de empregos criados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério da Economia.

Perfil dos trabalhadores

A maioria dos empregados contratados no Estado em ambas modalidades tem ensino médio completo: são 72,2% do contratados em regime intermitente e 55,5%, em tempo parcial. 

Jovens de até 24 anos são os mais contratados, totalizando 43,2% dos empregados em tempo parcial durante o período e 35,2% daqueles em regime intermitente.

Os serviços (58%) e o comércio (29,95) são os setores que mais empregaram nos regimes analisados.

Já a média salarial de ambas modalidades é inferior à média do emprego formal no Estado. Quase nove em cada grupo de 10 empregados em tempo parcial (89,1%) recebem até 1,5 salário mínimo e 87,8% daqueles em regime intermitente recebem até 1,5 salário mínimo.

 


Com informações da repórter Irna Cavalcante