PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Brasileiro pode investir em gigantes da tecnologia sem precisar sair de casa

12:23 | 29/07/2019
Se investir em uma empresa estrangeira já parece atrativo em tempos de juros baixos no Brasil, aportar recursos em uma gigante da tecnologia - como Google, Microsoft ou Facebook - pode ser ainda mais interessante. As principais formas de fazer isso incluem recibos emitidos por aqui, que espelham o desempenho das ações lá fora, e o investimento feito com uma conta aberta no exterior.
A escolha depende, sobretudo, dos recursos que o investidor tem à mão e de quanto está disposto a arriscar.
Para quem não tem muito dinheiro disponível, uma alternativa são os Certificados de Operações Estruturadas (COE). Com esse produto, o investidor não compra a ação da empresa no exterior, mas adquire um papel que reflete o desempenho de um grupo de empresas por um período determinado. O investimento mínimo costuma ser de R$ 5 mil e o prazo, de pelo menos cinco anos.
Esse produto surgiu em 2014 e foi se diversificando desde então. Hoje, há opções para quem se interessa por empresas de tecnologia. Um produto que uma corretora oferece atualmente, por exemplo, tem seus rendimentos calculados a partir do desempenho de ações da Netflix, Amazon e da Disney.
"Há opções emitidas por grandes bancos brasileiros e do exterior. O Brasil sempre teve uma cultura de juros altos e se acostumou com produtos simples. Ainda estamos descobrindo opções de investimentos", diz Maite Kattar, especialista em COEs da XP Investimentos.
As regras de remuneração variam, mas costuma funcionar assim: em um COE que acompanha ações de empresas de tecnologia, se todos os papéis tiverem subido ao fim do período, o investidor recebe o capital investido mais o porcentual de alta do ativo e uma taxa fixa, de 9% a 10% ano, geralmente. Em caso de queda no preço do ativo, o investidor recebe só o capital que ele havia investido.
"Com os juros em um patamar historicamente baixo e com perspectiva de queda, esse tipo de produto fica mais atrativo", diz Fabio Zenaro, diretor de Produtos de Balcão, Commodities e Novos Negócios da B3.
Uma desvantagem é o tempo em que o capital fica parado sem remuneração, caso as ações não tenham um bom resultado. Uma opção são os COEs autocallables, que podem ser encerrados antes. Em um investimento de cinco anos, por exemplo, a cada seis meses é verificado se as ações subiram ou caíram. Se tiverem subido, o contrato é encerrado e o prêmio, pago.
Lá de fora
Uma saída para quem mira em empresas de tecnologia no exterior é fazer um investimento direto, abrindo uma conta em uma corretora estrangeira. O investidor vira sócio direto da empresa que ele comprar a ação e não é necessário ser um investidor qualificado (que tem pelo menos R$ 1 milhão investidos). Além disso, ele pode ter acesso a mais opções de ativos no exterior.
O gerente de sistemas José de Paula, 35 anos, acha que vale a pena ampliar o portfólio de investimentos quando conseguir abrir uma conta para receber o dinheiro nos Estados Unidos. "Quero ficar de olho em ações de tecnologia, como Apple e Google, e no setor entretenimento, sobretudo a Disney, que tem mostrado bons resultados de bilheteria de cinema."
"Quando o investidor olha as empresas da B3, a maioria já está madura e sem crescimento exponencial para o futuro", diz Enrico Trotta, analista do setor de tecnologia do Itaú BBA. Ele avalia que, por conta do atual cenário econômico, muitos investidores, inclusive os conservadores, têm migrado da renda fixa para a variável. "E há uma geração de millennials que busca empresas de tecnologia."
Algumas desvantagens, porém, devem ser consideradas. "É preciso arcar com encargos para enviar capital a uma corretora lá fora, que chega a 1,3% de spread e de 1,1% de IOF. Quanto maior o investimento, mais baratos ficam os encargos", diz Alberto Amparo, da Suno Research. E o investidor precisa considerar a variação cambial, que pode fazer com que o investimento acabe não valendo a pena.
Espelho
Outra opção é investir nos chamados Brazilian Depositary Receipts (BDR), certificados que representam ações de empresas estrangeiras negociadas no Brasil. Os papéis são comprados aqui e espelham os resultados das ações no exterior.
"Mesmo sendo caros, os papéis de empresas de tecnologia têm grande potencial de crescimento. Elas estão criando serviços que serão essenciais", diz Roberto Teperman, diretor de vendas da Legg Mason no Brasil.
As opções de BDRs no País são limitadas, mas entre os títulos não patrocinados (os mais comuns) disponíveis na B3 estão os de grandes empresas de tecnologia, como Alphabet (do Google), Apple, Facebook e Amazon.
Em 2018, o volume negociado de BDRs foi de R$ 22,9 milhões, quase três vezes mais que no ano anterior. Entre os recibos mais negociados, o da Amazon foi o papel mais líquido, respondendo por 8,26% dos negócios da Bolsa, seguido por Apple (6,22%) e Google (5,54%).
Segundo a B3, porém, é preciso ser um investidor qualificado para ter acesso a esse produto, ou seja, ter mais de R$ 1 milhão investidos, o que restringe esses investimentos. Para investidores comuns, uma alternativa é buscar fundos que tenham esses papéis. No mercado, há opções em torno de R$ 25 mil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Agência Estado