PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

CAE do Senado aprova nome de Fernanda Nechio para diretoria do BC

12:49 | 02/07/2019
O nome da economista Fernanda Feitosa Nechio, indicada para a diretoria de Assuntos Internacionais do Banco Central, foi aprovado de forma unânime nesta terça-feira, 2, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, por 17 a 0 votos.
Agora, Fernanda Nechio ainda precisará passar pela aprovação do plenário do Senado. A expectativa é de que isso ocorra ainda nesta terça.
No currículo de Fernanda, apresentado à CAE, está a informação de que ela se dedica há 20 anos ao estudo e à prática da economia, "combinando uma formação sólida em macroeconomia e economia internacional com experiências em um banco central no exterior e na área econômica". Fernanda possui graduação em Ciências Econômicas e mestrado em Economia pela PUC-Rio, além de doutorado em Economia pela Princeton University.
"Durante meu doutorado, me especializei nas áreas de Economia Internacional, Macroeconomia e Economia Monetária, tendo como orientadores Ricardo Reis e Hèlene Rey, renomados pesquisadores nas áreas de macroeconomia e finanças internacionais", informou Fernanda ao Senado.
Depois do doutorado, Fernanda foi contratada pela regional de San Francisco do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), onde trabalhou por dez anos como economista. "Dentre minhas atribuições no Federal Reserve de San Francisco, auxiliei três presidentes desta instituição na formulação e condução da política monetária americana", citou. "Inicialmente trabalhei com Janet Yellen, que posteriormente se tornou presidente do Federal Reserve Board, com John Williams, atual presidente do Federal Reserve Bank de Nova York, e mais recentemente com Mary Daly, renomada pesquisadora da área de economia do trabalho."
Fernanda substituirá na diretoria do BC o economista Tiago Couto Berriel, responsável pela área de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos. Berriel estava no BC desde 2016, por indicação do então presidente da autarquia, Ilan Goldfajn.

Agência Estado