PUBLICIDADE
Economia
telecom

Cabo submarino que liga Fortaleza aos EUA vai oferecer conexão ampliada a partir da Flórida

O aumento da conectividade deve ajudar na transmissão de conteúdo entre os continentes

23:59 | 13/03/2018
A conexão do cabo Monet no território dos Estados Unidos será ampliada. A conectividade terá como ponto inicial Miami, na Flórida, e se expandirá para outras regiões. O cabo percorre rota de mais de 10 mil quilômetros e conecta as cidades de Santos e Fortaleza com a cidade de Boca Raton, também na Flórida.
 
Projeto da estação do South Atlantic Cable System (Sacs), que ligará Luanda (Angola) a Fortaleza (Foto: Divulgação/Angola Cables)
 
A alta concentração de provedores de serviços locais e internacionais situados no estado da Flórida vai se beneficiar com o serviço de dados adicionais que entrarão em operação com a conclusão do cabo submarino.
 
A parceria da Angola Cables com a empresa de fibra óptica Fiberlight LLC deve viabilizar serviços a maior gama de clientes e mercados. São operados dois pares de fibra óptica no Monet, um transmitindo dados de Fortaleza aos Estados Unidos e um segundo com transporte de tráfego para São Paulo. 

De acordo com António Nunes, CEO da Angola Cables, o compromisso da Fiberlight é oferecer vantagens de extensão para operadores de conectividade locais e internacionais. “A conexão com a FiberLight vai permitir à Angola Cables entregar soluções e serviços de modo confiável e de alto nível para além do ponto de terminação em Boca Raton”.

Atualmente, a FiberLight LLC possui mais de 1,9 milhão de milhas de infraestrutura de fibra óptica sobre as crescentes áreas metropolitanas dos EUA. Por meio de sua espinha dorsal de mais de 26 mil pontos de acesso, a empresa fornece Ethernet, IP e serviço de transporte de dados para operadoras nacionais e regionais, dispositivos móveis sem fios, ISPs, cabo e provedores de conteúdo.

 “O aumento da conectividade resultante de novos cabos como o Monet, vai ajudar na transmissão em troca de conteúdo entre os continentes”, conclui Nunes.
 
Redação O POVO Online