PUBLICIDADE
Economia
DÍVIDAS

Pesquisa revela que 70% dos brasileiros atrasaram alguma conta em 2017

As contas mais comprometidas com atrasos foram de cartão de crédito e planos de internet ou telefonia

22:30 | 14/02/2018
A conta que mais apresentou inadimplência foi a de cartão de crédito (Foto: Tatiana Fortes / O POVO)
De acordo com um levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), sete em cada dez brasileiros deixaram de pagar ou pagaram com atraso ao menos uma conta em 2017. A pesquisa também mostrou que os mais inadimplentes e que, portanto, tiveram os nomes incluídos em algum serviço de proteção ao crédito, foram na maioria das classes C, D e E (50%).

Entre as contas comprometidas no ano passado foram na maioria de cartão de crédito (39%), plano de internet (28%) e plano de telefonia (26%). Segundo os dados da pesquisa, cerca de 39% da população adulta está registrada em lista de inadimplência. Foram entrevistados 805 consumidores em todas as capitais do País. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Segundo o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli, o endividamento não deve impedir a pessoa de pagar todas as suas contas fixas, caso contrário, corre o risco de resultar em inadimplência. “Além disso, é recomendável poupar uma parte dos ganhos e deixar uma quantia para arcar com as despesas variáveis do mês. E sempre que o consumidor se vir obrigado a pagar juros, o certo é recorrer à reserva financeira ou fazer atividades extras para aumentar a renda e se livrar dessa situação o mais rápido possível”, orienta.

Mudança de atitude

Dos entrevistados que já estiveram inadimplentes uma vez nos últimos 12 meses, 80% garatiram terem mudado atitudes na hora de administrar as finanças. 
 
As principais formas de controlar gastos tomados pelos entrevistados estavam a de reduzir todos os gastos (49%), pensar melhor antes de comprar algo (39%), comprar somente quando puder pagar à vista (34%), passar a economizar para lidar com imprevistos (32%), evitar o uso do cartão de crédito (28%), não emprestar o nome para terceiros (23%) e cancelar o cartão de crédito (17%).

(Foto: Reprodução / Blog O Povo Economia)
 
 
A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, explica que as compras a prazo feitas com o cartão de crédito ou carnês ainda representam o maior perigo aos consumidores que não se planejam na hora de pagar as dívidas. "Não há problema (em parcelar), desde que o consumidor esteja no controle e não ultrapasse suas condições de arcar com o pagamento das prestações acordadas”.
 
Redação O POVO Online