PUBLICIDADE
Notícias

Presidência aprova expansão da ZPE

O próximo objetivo será o alfandegamento da nova área junto à Receita Federal do Brasil (RFB) por tratar-se de zona primária a ser gerida pela ZPE Ceará

19:59 | 05/05/2016

A Presidência da República autorizou a expansão da Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE). O decreto foi assinado e publicado hoje no Diário Oficial da União (DOU). A ZPE passa de 4.271 hectares para 6.182 hectares, incorporando a área destinada à implantação da Refinaria Premium II. O empreendimento da Petrobras foi cancelado no ano passado. O próximo objetivo será o alfandegamento da nova área junto à Receita Federal do Brasil (RFB) por tratar-se de zona primária a ser gerida pela ZPE Ceará.

A área receberá possíveis empreendimentos do setor petrolífero (plantas de refino), além de fomento às outras estruturas, tais como indústrias de calçados, têxteis, rochas ornamentais e fábricas automobilísticas.

O Ceará também deseja firmar parcerias nas áreas de energias renováveis, desenvolvimento tecnológico e dessalinização de água do mar com o estado alemão de Baden Württemberg. Também foram discutidas parcerias para o turismo, cultura e meio ambiente.

"Apresentamos a ZPE (Zona de Processamento de Exportação) como novidade para a atração de investimentos. A ideia é mostrar os instrumentos para a atração desse capital estrangeiro”, ressaltou o assessor para Assuntos Internacionais do Estado, Antônio Balhmann. Um dos projetos trata do interesse no desenvolvimento de um museu de arqueologia e geologia da região do Cariri, além de parcerias de intercâmbio universitário em pós-graduação de diversas áreas na Alemanha.

As ideias tendem a ser formatadas até o mês de outubro, quando ocorrerá a feira Alemanha-Brasil, no país europeu. “Vamos construir até lá uma agenda de participação nos negócios”, reforça.

Chinesas

Balhmann também falou do interesse da Baoji Oilfield Machinery (Bomco), que atua na fabricação de materiais para o segmento de petróleo e gás. Entre os itens estão unidades de bombeamento, sondas, equipamentos de perfuração e geradores. O investimento é da ordem de US$ 180 milhões. “Estamos aguardando apenas o visto de entrada no País da delegação chinesa. A partir daí, teremos uma data para assinar o protocolo”, adiantou.

Outra empresa chinesa, a montadora de automóveis Zotye, recebeu proposta do Estado para a instalação de uma fábrica na ZPE. Segundo Balhmann, não há retorno. “Esperamos a definição deles. Levaram a proposta para a China. Estão avaliando”. Para operar, o governo estadual pediu à empesa chinesa uma produção de 100 mil veículos ao ano. A fabricante usaria o Porto do Pecém como plataforma de exportação para a América Latina.

ZPE - Áreas sem acréscimo

TAGS