PUBLICIDADE
Notícias

Primeiro-ministro chinês promete maior vigilância contra riscos financeiros

09:20 | 16/02/2016
O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, prometeu ampliar os esforços de vigilância para identificar riscos no mercado financeiro e reiterou que os fundamentos do país continuam sólidos devido à estabilidade do emprego.

Segundo artigo publicado no site do governo central da China, as políticas adotadas por reguladores no ano passado para estabilizar os mercados acionários e cambial foram corretos, em linha com as práticas internacionais, e ajudaram a "desativar algumas bombas-relógio dentro de um certo período de tempo".

"Olhando para trás, no entanto, as agências de governo mais importantes também deveriam aprender algumas lições", disse Li, acrescentando que elas poderiam ter respondido aos riscos de forma mais oportuna e eficiente.

O premiê também apelou a autoridades chinesas que tenham senso de urgência e ajam para conter a desaceleração da economia e que convoquem mais coletivas para melhorar sua comunicação com o mercado.

"O que está acontecendo agora é que recursos são destinados a projetos, mas a implementação é adiada repetidamente", afirmou Li.

Sobre o mercado de trabalho, Li disse que a taxa de desemprego em 31 grandes cidades da China foi de 4,99% em janeiro, abaixo da média de 5,1% registrada no quarto trimestre do ano passado, segundo pesquisa do governo.

Críticos dos dados de emprego do país têm apontado fatores que podem estar ocultando sinais de estresse no mercado de trabalho.

Estudo divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no ano passado mostrou que a estabilidade do emprego pode estar parcialmente relacionada ao fato de as estatais chinesas contratarem funcionários em excesso e ao retorno de migrantes para áreas rurais, devido à falta de oportunidades de trabalho nas cidades.

Em 2015, a economia da China teve expansão de 6,9%, a menor em 25 anos.

Os comentários de Li foram feitos durante reunião do Conselho Estatal, o gabinete chinês, realizada no domingo. Fonte: Dow Jones Newswires.

TAGS