PUBLICIDADE
Notícias

CPI do Carf aprova quebra de sigilo de executivos da Mitsubishi

"Precisamos esclarecer muitas questões quanto ao caso da Mitsubishi. Ela negociou com operadores do esquema investigado pela PF e teve uma vitória num processo de centenas de milhões", disse o senador Ataídes Oliveira

13:53 | 16/07/2015

A CPI do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) aprovou nesta quinta-feira, 16, a quebra dos sigilos telefônico, de mensagens via celular e de e-mails do ex-presidente da Mitsubishi no Brasil Paulo Ferraz.

O atual presidente da empresa, Robert Rittscher, também terá os mesmos sigilos quebrados. Após ser autuada pela Receita Federal, a empresa conseguiu junto ao Carf reduzir o débito de R$ 266 milhões para menos de R$ 1 milhão.

"Precisamos esclarecer muitas questões quanto ao caso da Mitsubishi. Ela negociou com operadores do esquema investigado pela [Polícia Federal] PF e teve uma vitória num processo de centenas de milhões", disse o presidente do colegiado, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO).

Ainda na lista de sigilos quebrados nesta quinta-feira, 16, está o bancário Hugo Borges, suspeito de ser um dos principais operadores financeiros de José Ricardo da Silva, ex-conselheiro do Carf que é alvo das investigações. Os senadores também querem informações da Receita sobre empresas a que Borges foi ou se mantém sócio.
[SAIBAMAIS 3]
Outra quebra de sigilo aprovada, desta vez por soliticação da relatora da comissão, senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM), o colegiado aprovou a quebra dos sigilos fiscal e bancário da Planeja Assessoria e da Alfa Atenas Assessoria Empresarial. Ambas prestaram assistência à Mitsubishi em processos dentro do Carf. A suspeita é que essas e outras consultorias tenham atuado como intermediárias de propinas para membros do conselho.

Vanessa Graziottin também conseguiu aprovar requerimento para acesso aos dados bancário e fiscal de Eduardo Ramos, Ezequiel Cavallari, Silvio Romão e Ricardo Rett. A CPI também vai pedir à Receita Federal a relação das empresas com que esses investigados têm ou tiveram participação societária.

A Agência Brasil entrou em contato com a Mistubishi do Brasil e aguarda posicionamento da empresa sobre o assunto.

>> Leia mais sobre carros e motos.

Agência Brasil
TAGS