PUBLICIDADE
Notícias

Alimentos manterão pressão sobre o varejo neste final de ano, diz a FGV

13:35 | 05/12/2014
Os preços de alimentos no varejo devem continuar pressionados nas próximas semanas, com a transmissão dos aumentos no atacado em função do tempo seco ao longo do mês de outubro, disse nesta sexta-feira, 5, o superintendente adjunto de inflação da Fundação Getulio Vargas (FGV), Salomão Quadros. Em novembro, a alimentação no domicílio subiu 0,67%, mais do que a taxa de 0,38% do mês anterior, segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) captado no âmbito do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI).

Segundo a FGV, a batata inglesa subiu 58,80% e as frutas ficaram 1,33% mais caras, enquanto a cebola parou de cair. Como os preços dos produtos in natura reagem muito rapidamente ao clima, Quadros estima que esses produtos oscilem bastante nas próximas semanas.

Além disso, a carne bovina também acelerou bastante no varejo, com aumento de 3,05%. A alta reflete o comportamento dos preços do atacado. Por outro lado, os derivados de leite têm dado alívio ao bolso dos consumidores. "A seca afeta mais a pecuária de corte. Essa não é a época de entressafra de leite", explicou Quadros. Com isso, o leite longa vida ficou 5,48% mais barato no mês passado. "Haverá uma troca entre produtos que sobem e outros que desaceleram", disse.

Derivados do trigo também seguem repercutindo a queda do preço do grão no atacado nos últimos meses. Massas, farinhas, panificados e biscoitos tiveram redução em novembro, e o pão francês ficou 0,45% mais barato, segundo a FGV. Esses itens, contudo, devem acelerar nas próximas semanas. "Depois de seis meses de queda, o trigo começou a subir (no atacado)", disse o superintendente.

Administrados

No IPC de novembro, ainda foram incorporados aumentos nas tarifas de energia elétrica e dos combustíveis, ambos praticados a partir do dia 7 do mês passado. No caso da energia, a alta de 3,73% foi impulsionada pelo reajuste da Light, uma das distribuidoras do Rio de Janeiro, e por aumentos de impostos em outras cidades. Nos combustíveis, a gasolina teve aumento de 1,9% nas bombas - os postos são livres para repassarem os reajustes na refinaria, conforme a concorrência. "Mas esses impactos serão menores no próximo mês, pois quase 80% disso já foi incorporado", disse Quadros.

TAGS