PUBLICIDADE
Notícias

Comissão Europeia prevê crescimento de 0,2% do Brasil

14:00 | 04/11/2014
A Comissão Europeia cortou drasticamente a previsão de crescimento do Brasil no relatório de outono divulgado nesta terça-feira, 4. Pelo cenário desenhado pelos economistas do braço da União Europeia, a economia brasileira deverá ter o menor crescimento entre todas as grandes economias e blocos internacionais relacionadas no relatório. Para 2014, a previsão para o crescimento brasileiro caiu de 2,6% estimados há seis meses para apenas 0,2%.

"Na América Latina, dados recentes do Brasil e do México mostraram ritmo mais fraco do que o esperado e a previsão para o Brasil foi marcada por uma queda significativa", destaca o relatório. Apesar da citada decepção com o México, a previsão de crescimento para a segunda maior economia da América Latina neste ano caiu bem menos: de 2,9% para 2,4%.

Exportações

Além do PIB, a Comissão Europeia também divulga estimativas sobre o comércio exterior. Nesse tema, as projeções também pioraram para o Brasil. A expectativa para o crescimento das exportações brasileiras em 2014 caiu de 5,6% para 2,3%. No lado das importações, a UE previa que a compra de mercadorias importadas pelo País cresceria 7% neste ano. Agora, espera contração das importações brasileiras de 0,4%.

Entre as demais grandes economias do mundo, a Comissão Europeia prevê que todas apresentarão ritmo mais forte de crescimento do PIB do que o Brasil. Até mesmo a Rússia, que é afetada pela crise geopolítica na fronteira com a Ucrânia, deverá crescer mais: 0,3% este ano. Entre os demais países, a previsão de crescimento é de 7,3% para a China, de 5,8% para a Índia, 2,2% para os Estados Unidos e 1,1% para o Japão, 0,8% para a zona do euro e 1,4% para o conjunto da América Latina.

Para 2015, a expectativa de crescimento do Brasil também piorou e caiu pela metade, de 2,9% para 1,4%. Para 2016, a Comissão Europeia prevê expansão de 2,6% no Brasil. O documento fala em "gradual aceleração do crescimento ao longo do horizonte das previsões" no País.

TAGS