PUBLICIDADE
Notícias

Balizador de preço de energia permanece no teto

16:20 | 14/11/2014
A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) informou nesta sexta-feira, 14, que o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), utilizado como balizador para o preço da energia transacionada no mercado de curto prazo, manteve-se estável e no patamar máximo, de R$ 822,83 por MWh, para o período de 15 a 21 de novembro de 2014. Segundo a CCEE, a manutenção do preço deve-se às afluências previstas para o sistema, que mantiveram-se praticamente estáveis em relação ao que havia sido projetado.

Também conforme o comunicado divulgado, a expectativa é de uma redução de apenas 100 MW médios nas afluências para as próximas semanas, o que representaria 70% da média histórica para o sistema no mês de novembro. "Foram verificadas reduções para as regiões Sudeste e Norte, mas em contrapartida houve melhora das previsões no Sul e no Nordeste, o que garantiu equilíbrio", diz a CCEE.

No Sul, a expectativa é que a Energia Natural Afluente (ENA) em novembro fique em 98% da média, contra os 92% previstos anteriormente. Já a projeção das afluências para o Sudeste recuou de 74% da média, esperada na primeira semana, para 69% na segunda semana e 66% na terceira.

"Mesmo com a redução geral, a expectativa ainda é que as afluências do sistema se elevem nas próximas semanas em decorrência do início da estação chuvosa, esperado para a segunda quinzena do mês", acrescenta a CCEE. A melhora observada nas afluências dos últimos dias, principalmente no Sul, contribuiu para aumentar o nível de armazenamento dos reservatórios em aproximadamente 300 MW médios acima do esperado.

Ainda de acordo com o comunicado, na terceira semana de novembro, a carga prevista para o Sudeste não apresentou variações em relação à semana anterior, enquanto a carga do Sul teve redução de 100 MW médios. "A elevação da carga do sistema se deu por conta do Nordeste e Norte, submercados cuja previsão ficou cerca de 200 MW médios superior à anterior." Para as próximas semanas, é esperado que o consumo permaneça alto em todos os submercados em virtude da expectativa de temperaturas elevadas.

"Essas temperaturas em elevação, junto com a previsão menos otimista em relação às afluências, mantêm a expectativa de que os níveis dos reservatórios apresentem redução nas próximas semanas", acrescenta a CCEE, no comunicado.

TAGS