PUBLICIDADE
Notícias

Loyola: alta busca devolver crédito à política monetária

20:00 | 29/10/2014
O ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria, Gustavo Loyola, avaliou nesta quarta-feira, 29, que a alta de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juros (Selic), para 11,25% ao ano, determinada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) é um sinal de que o órgão busca "recuperar a credibilidade da política monetária após o embate eleitoral", numa sinalização ao mercado de uma maior rigor da política monetária. Para Loyola, outro fator determinante para o aumento da Selic foi a inflação ainda resistente e acima do teto da meta de 6,5% ao ano determinada pelo governo.

"A decisão visa frear a inflação que, ao contrário do que o Bando Central esperava, mostra resistência, e tem ainda como e objetivo de recuperar a credibilidade da política monetária para recobrar as expectativas positivas após os embates", disse Loyola ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Loyola lembrou que a comunicação feita recentemente pelo o BC sinalizava que a "porta não estava totalmente fechada" para novas altas. O ex-presidente da autoridade monetária, no entanto, considerou que a decisão do aumento na Selic era esperada pelo mercado para um médio prazo, entre o final deste ano e 2015. "Tinha um campo minoritário que apostava nisso (alta ainda este ano) e um número maior achava que viria mais adiante. Na Tendências tínhamos um 'call' do aumento para ano que vem", concluiu

Bersi Brasil

O aumento decidido na 186ª reunião do Copom , indica que o Banco Central (BC) retomou o ciclo de alta, disse ao Broadcast o economista-chefe do Besi Brasil, Jankiel Santos. De acordo com ele, em dezembro a Selic deve ter nova elevação porque, se o BC está mirando a inflação, 0,25 ponto não será suficiente para conter a taxa.

Sobre o placar dos votos, que contou com três contrários à elevação da Selic de 11% para 11,25% ao ano, o economista entende que há no board do BC gente que discorda que a inflação estaria descontrolada.

Fecomércio - RJ

A alta surpreendeu a Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ). "O Copom (Comitê de Política Monetária) parece não ter dimensionado bem o momento vivido pela economia doméstica ao elevar os juros básicos. Diante dos comportamentos recentes da atividade econômica, das contas públicas e dos índices de preços, o Banco Central preferiu não reconhecer a limitação do arrocho monetário como estratégia de controle da inflação a todo custo", cita a entidade, em nota.

Para a Fecomércio RJ, a alta dos juros já cumpriu seu papel na ponta. "Com 70% da dívida do país atrelados à Selic, elevações dos juros já observadas, além de terem inibido o consumo das famílias, o giro das empresas e investimentos em geral, ainda impactaram a condição das contas públicas. O aumento da Selic prejudica, portanto, o reaquecimento da economia e a saúde das finanças públicas", destaca a nota.

A nota da Fecomércio RJ diz, ainda, que uma vez concluído o processo eleitoral, "uma agenda estrutural e ampla se desenha". "Hora de entender as raízes dos desafios em jogo e avançar em reformas, como a tributária, em detrimento de ações pontuais, limitadas no tempo e em sua abrangência, por um círculo virtuoso de desenvolvimento no Brasil".

Global Invx Partners

O mercado recebeu positivamente a alta de 0,25 ponto porcentual na Selic. Para Eduardo Velho, economista-chefe da Global Invx Partners, a elevação para 11,25% ao ano surpreendeu, mas foi também uma sinalização importante e positiva para os agentes do mercado.

"Achávamos que o BC ia esperar o câmbio flutuar e que subisse a taxa apenas em dezembro, não agora. É um sinal muito positivo para o início do segundo mandato", observou. Segundo Velho, é até possível que depois dessa alta de hoje as taxas futuras médias e longas, amanhã, passem por uma correção para baixo.

"O governo, com isso, parece querer converter as expectativas", disse. "É um sinal de que âncora fiscal e monetária devem surpreender. O governo indica que quer restabelecer o tripé macroeconômico e a confiança."

TAGS