PUBLICIDADE
Notícias

Estoque das montadoras supera a produção

08:10 | 07/10/2014
Montadoras e revendas têm em estoque 103,7 mil veículos a mais do que foi produzido em setembro. O total do encalhe soma 404,5 mil veículos, enquanto a produção totalizou 300,8 mil unidades. Com esse excesso e vendas abaixo do previsto no mês passado, as empresas seguem adotando medidas de contenção, como férias coletivas e programas de demissão voluntária.

Em volume, o estoque atual é o maior dos últimos 10 meses. Em outubro do ano passado, chegou a 423 mil veículos. Em relação a agosto, cresceu 4,9%. Já em número de dias de vendas, caiu de 42 para 41 dias de um mês para o outro. As dispensas de trabalhadores também estão em alta. Ocorreram 1.174 cortes no mês passado, elevando para 9,2 mil o total de vagas fechadas neste ano. As fabricantes empregam hoje 147,7 mil pessoas, número mais baixo desde maio de 2012.

As vendas melhoraram em setembro na comparação ao mês anterior - alta de 8,7% -, mas o setor esperava números melhores, diz o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan. "A retração do mercado leva ao alto estoque e o recurso que temos é aumentar as vendas ou reduzir a produção", diz Moan. "Estamos utilizando o fator produção como ajuste de estoque."

Novos produtos

Confiante de que haveria uma retomada mais consistente e com novos produtos chegando ao mercado, a produção da indústria cresceu 13,7% em setembro em relação a agosto. Na comparação com o mesmo mês de 2013, houve queda de 6,7%. No acumulado do ano, a redução é de 16,8%, para 2,384 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

As vendas acumuladas apresentam queda de 9,1%, para 2,526 milhões de veículos, mas a Anfavea aposta em uma melhora no fim do ano, em parte por causa das medidas de incentivo ao crédito lançadas recentemente. Moan diz que a média de licenciamentos de julho a setembro cresceu 3,9% em relação à do primeiro semestre.

Apesar da aposta da Anfavea, Moan admite que não há como salvar o ano. As projeções são de queda de 5,4% nas vendas em relação a 2013, de 10% na produção e de 29% nas exportações. Até agora, porém, as exportações já despencaram 38,5%.

Argentina

O saldo negativo é puxado principalmente pela Argentina, que responde por cerca de 80% das exportações brasileiras. Além da crise cambial, o país lançou recentemente um pacote de incentivo à compra de carros, mas beneficia apenas os produzidos localmente.

Segundo Moan, normalmente o Brasil exporta US$ 600 milhões mensais ao país vizinho, mas em setembro a Argentina liberou apenas US$ 100 milhões para pagamentos, o que tornou inviável o envio de produtos. A GM, por exemplo, suspendeu as vendas ao parceiro.

Para reduzir a dependência da Argentina nas vendas externas, Moan iniciou recentemente uma peregrinação a diversos países para recuperar mercados perdidos.

O primeiro deles foi a Colômbia, com quem a Anfavea espera fechar um acordo comercial ainda este ano. Os próximos serão Uruguai e Equador. Novas negociações com o México também serão iniciadas em breve, pois o acordo entre os dos países vence em março. Outro novo mercado recém-conquistado é o Zimbábue, que este mês recebeu o primeiro lote de 300 máquinas agrícolas brasileiras. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

TAGS