PUBLICIDADE
Notícias

Em 5 meses, Caixa emprestou R$7,72bi ao setor elétrico

08:30 | 04/10/2014
Em cinco meses, a Caixa aprovou R$ 7,72 bilhões em empréstimos ao setor elétrico. Todos eles tiveram intermediação do Ministério da Fazenda. Além da operação com a Celg, a Caixa participou dos empréstimos à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e também à Eletrobrás.

No empréstimo à CCEE, que serviu para socorrer as distribuidoras de energia, sua fatia ficou em R$ 3,32 bilhões. No outro, destinado ao financiamento da Eletrobrás, em R$ 2,5 bilhões.

Em nota, a Caixa informou que tem linha de crédito para financiar as empresas do setor. "Desde que se enquadrem nas exigências do banco quanto a garantias e retorno, operações deste tipo estão no portfólio", afirmou a instituição.

Fontes da área técnica do Tesouro Nacional informaram ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, que a Caixa deve precisar de nova capitalização no próximo ano. O objetivo é dar fôlego financeiro ao banco, pressionado pelos empréstimos bilionários para atender as políticas do governo.

A Caixa também foi usada pelo governo no expediente das "pedaladas fiscais". O banco pediu à Advocacia-Geral da União (AGU) que instaurasse uma Câmara de Conciliação e Arbitragem para encontrar uma solução. Por meio da manobra, o Tesouro vinha atrasando os repasses ao banco para pagamentos de benefícios sociais, como o seguro-desemprego e o Bolsa Família, desde o fim de 2013. O objetivo era melhorar o resultado das contas públicas.

A ingerência do governo sobre a Caixa tem aumentado nos últimos anos. Toda a operação entre o banco e a Celg só foi possível porque o Conselho Monetário Nacional (CMN) elevou, em 28 de agosto, o limite para financiamentos das estatais de energia elétrica de R$ 800 milhões para R$ 1,9 bilhão.

Em 17 de setembro, a Celgpar, controladora da Celg, anunciou a contratação do financiamento com a Caixa, de R$ 1,9 bilhão. E informou que a maior parte do dinheiro serviria para elevar o capital social da empresa.

Sem alternativa

Em assembleia-geral extraordinária, em 26 de setembro, os acionistas da Eletrobrás aprovaram a aquisição de 51% de participação na Celg por R$ 59,5 milhões. Um mês antes, o conselho de administração da companhia já havia aprovado a operação.

A transferência de controle da Celg para a Eletrobrás teve início em 2010. A federalização da companhia foi a única alternativa, já que nenhum banco aceitou financiar a empresa, que acumulava dívidas de R$ 7 bilhões.

O primeiro empréstimo ocorreu em 2011, quando foi realizada uma operação de crédito de R$ 3,7 bilhões com a Caixa, com a mesma modelagem do atual. Um acordo de acionistas assinado entre governo de Goiás e a Eletrobrás previa a aquisição da empresa após o cumprimento de algumas metas acordadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

TAGS