PUBLICIDADE
Notícias

Imóveis subiram 0,60%, em média, em julho, diz FipeZap

09:30 | 05/08/2014
Depois da forte alta de preços dos últimos anos, o mercado imobiliário passa por um fase de ajuste. Segundo o Índice FipeZap Ampliado, elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em julho, a alta do preço médio anunciado do metro quadrado nas 16 cidades pesquisadas, de 0,60%, ficou acima da inflação esperada para o mês. Já em 12 meses, a variação acumulada, de 10,4%, é a menor desde 2011.

O índice mensal revela que, nos primeiros sete meses do ano, o preço do metro quadrado do imóvel pronto, a maioria usado, subiu em média 4,11%, para uma inflação esperada de 3,9%, segundo o boletim Focus, do Banco Central. No entanto, em sete das 16 cidades pesquisadas, houve queda real de preços. Em São Caetano do Sul, a alta acompanhou a inflação.

"Não podemos olhar apenas o 'mês a mês', pois é preciso considerar questões pontuais e mesmo sazonais do mercado imobiliário. Junho e julho foram meses bem atípicos", diz o coordenador do Índice FipeZap, Eduardo Zylberstajn. "O importante é olhar um prazo mais longo, no qual temos visto uma tendência de estabilidade", diz ele.

Desaceleração

Na variação em 12 meses, a alta acumulada de preços em julho, de 10,4%, desacelerou pela oitava vez consecutiva. "Tivemos um aumento de preços no mercado imobiliário que durou bastante tempo, e agora estamos vendo a desaceleração já há alguns meses - é o oitavo mês seguido", diz o economista.

Para Zylberstajn, a tendência deve se manter nos próximos meses, e os preços devem se aproximar cada vez mais da inflação. "É difícil a gente imaginar uma retomada do crescimento de preços se aqueles fatores que foram primordiais para essa explosão - o crédito e o mercado de trabalho - estão passando por um outro momento, em outro ritmo."

Ele diz também que a diferença do resultado do FipeZap em relação ao IPCA se deve ao fato de a inflação esperada para o mês, de 0,14%, ser mais baixa do que nos meses anteriores.

Em julho, o maior aumento foi registrado em Vitória (1,39%), que também lidera o aumento no ano (7,13%). Já a maior queda foi em Brasília, que registra queda nominal tanto no mês (-0,44%) como no ano (-1,05%).

O coordenador do FipeZap diz que, em Brasília, o movimento de queda já dura quase dois anos, e mostra que há uma oferta excessiva de imóveis que está pressionando os preços.

"O que temos escutado do pessoal local tanto em Brasília como em Curitiba é de que são praças que estão passando por uma situação de excesso de oferta. Na época do boom de preços, decidiram construir muito nessas regiões, o que levou a estoques elevados e muitos imóveis disponíveis", afirma. Em Curitiba, a queda nominal de preços foi de 0,57% no ano.

Maior preço

No recorte por cidade, o metro quadrado mais caro continua sendo o do Rio de Janeiro, com média de R$ 10.699. No ano, o aumento na cidade foi de 5,64%. O valor mais alto está no bairro do Leblon, com média de R$ 22.645; já o metro quadrado mais barato é o da Pavuna, R$ 2.250.

São Paulo

Pelo segundo mês consecutivo, a capital paulista aparece com o segundo maior preço anunciado entre as 16cidades monitoradas pelo FipeZap, com média de R$ 8.186. O metro quadrado mais salgado em São Paulo está em Vila Nova Conceição (R$ 14.114), e o mais barato, em Cidade Tiradentes (R$ 2.574). No ano, a alta acumulada foi de 5,20% - 1,3% se descontada a inflação prevista para o período, de 3,9%. Nas 16 cidades pesquisadas pelo índice, a média do metro quadrado foi de R$ R$ 7.574 - 0,6% acima do mês anterior.

TAGS