PUBLICIDADE
Notícias

Fortaleza registra a sexta maior queda da inflação entre 13 estados

09:56 | 08/08/2014

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do governo, fechou o mês de julho em  0,01%. Com o resultado, a taxa acumulada em doze meses ficou em 6,5%, que é o teto da meta do governo. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 O indicador havia encerrado o mês anterior aos 6,52%, acumulando valor superior à meta, com uma alta de 0,4% em junho. Em julho do ano passado, o IPCA havia sido de 0,03%.
As contribuições que se destacaram no mês de julho foram dos grupos transportes e despesas pessoais que puxaram a taxa para baixo. Em 2014, a inflação acumulada em sete meses está em 3,76%, acima dos 3,18% do mesmo período de 2013.

 Os índices de oito das treze regiões pesquisadas vieram com sinal negativo em julho. Fortaleza apresentou o sexto menor resultado (-0,17), atrás de Salvador (-0,61%) – onde a energia elétrica apresentou queda de 9,69% refletindo a redução de 83,49% nas alíquotas do PIS/PASEP/COFINS, além da redução de 6% no preço dos combustíveis –, Recife (-0,26), Campo Grande (-0,25), Brasília (-0,23) e Vitória (-0,22).

 O maior resultado foi o de Curitiba (0,50%), em virtude da alta da energia elétrica (23,83%), tendo em vista o reajuste de 24,86% autorizado em 22 de julho e retroativo a 24 de junho.

 Os grupos Habitação (de 0,55% para 1,20%) e Artigos de Residência (de 0,38% para 0,86%) foram os que sobressaíram pela aceleração de um mês para o outro. Habitação foi o que apresentou o resultado mais elevado, tendo em vista que a energia elétrica atingiu 4,52% e, com 0,12 ponto percentual, exerceu o mais elevado impacto no IPCA do mês. Subiram, ainda, as despesas com condomínio (0,95%) e aluguel (0,92%).

 Ainda no grupo Habitação, registra-se a queda de 1,34% na taxa de água e esgoto mesmo com alta nas regiões metropolitanas de Fortaleza (5,23%), cujo reajuste de 7,30% ocorreu a partir do dia 06 de julho; Porto Alegre (2,65%), com reajuste de 6,00% vigente a partir de primeiro de julho; e Salvador (1,96%), onde o reajuste de 7,80% está em vigor desde 06 de junho. A queda de 1,34% na variação média do item foi influenciada pela região metropolitana de São Paulo, onde as contas de água e esgoto ficaram 9,11% mais baratas.

 O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e se refere às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, abrangendo as dez regiões metropolitanas do país, além de Brasília e dos municípios de Goiânia e Campo Grande.

 Redação O POVO Online com informações da Agência Brasil

 

TAGS