PUBLICIDADE
Notícias

Besi: média dos núcleos do IPCA de julho fica em 0,25%

09:40 | 08/08/2014
A média dos núcleos no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desacelerou de maneira considerável entre junho e julho, como mostram cálculos enviados ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado pelo Besi Brasil. A média atingiu 0,25% no sétimo mês do ano, após registrar alta de 0,62% em junho. O resultado veio dentro do intervalo das expectativas do AE Projeções, de 0,23% a 0,39%, mas é menor que a mediana de 0,34%.

A taxa média dos núcleos veio em linha com o arrefecimento do IPCA de julho, para 0,01%, ante 0,40%. A variação ficou menor que o piso das estimativas, de 0,03%, e que tinha como teto 0,17% e mediana de 0,09%.

Todas as medidas de núcleos também desaceleraram na passagem de junho para julho. O IPCA-EX, que núcleo exclui do cálculo geral os preços de alimentos com comportamentos mais voláteis e combustíveis, teve elevação de 0,19%, e ficou perto do piso do levantamento, de 0,17% (teto de 0,38% e mediana de 0,30%). No sexto mês do ano, a alta fora de 0,71%.

O IPCA-DP, abreviação de Índice de Preços ao Consumidor Amplo - Dupla Ponderação, ficou em 0,21% na comparação com 0,61% em junho. O resultado ficou fora do intervalo das expectativas - de 0,26% a 0,37%, com mediana de 0,33%. O IPCA-DP reviu os pesos de alguns itens, dando menor peso aos que apresentaram maior volatilidade em um período de 48 meses passados.

No caso do IPCA-MS, que é o tradicional núcleo de médias aparadas com suavização, o Besi informou que houve alta de 0,35% em julho ante 0,56%. Esta medida de núcleo veio dentro do intervalo das estimativas do AE Projeções (de 0,33% a 0,48%, com mediana de 0,41%).

As medidas de núcleos do IPCA são tradicionalmente calculadas pelas instituições do mercado financeiro logo que o IBGE divulga o indicador, uma vez que são acompanhadas de perto pelo Banco Central, que tem como um dos seus principais objetivos o cumprimento das metas de inflação. Os resultados encontrados podem variar ligeiramente de instituição para instituição, mas sempre indicam o caminho que os núcleos estão tomando, auxiliando o mercado e o próprio BC no monitoramento da inflação.

TAGS