PUBLICIDADE
Notícias

Supermercados vendem 1,4% menos em abril, diz IBGE

10:40 | 12/06/2014
As vendas nos supermercados recuaram 1,4% em abril ante março, a terceira queda consecutiva, segundo a Pesquisa Mensal de Comércio divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira, 12. A inflação de alimentos pode estar prejudicando o setor, segundo Nilo Lopes, técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do instituto.

 

As vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo já tinham recuado 1,1% em março ante fevereiro, após a queda de 0,2% registrada em fevereiro ante janeiro. "Houve queda acentuada em supermercados. A atividade de supermercados tem uma sequência de quedas em relação ao mês anterior. É o terceiro mês consecutivo de queda. "A inflação em 12 meses de alimentação em domicílio pode estar atingindo esse setor de supermercados", justificou Lopes.

 

Em relação a abril de 2013, o segmento teve forte alta de 10,1% no volume de vendas, o que puxou o crescimento de 6,7% do varejo no período. O crescimento das vendas nos supermercados no mês foi responsável por 73,7% da alta nas vendas do varejo restrito no período.

 

O resultado reverte a queda de 2,8% registrada em março, mas houve influência do efeito calendário. A Páscoa, que este ano ocorreu em abril, estimulou as vendas do setor de supermercados, que cresceram sobre uma base de comparação mais fraca, já que o mesmo feriado ocorreu em 2013 no mês de março.

 

"Um fator forte (para o resultado do varejo em relação ao mesmo mês do ano anterior) foi a mudança de comemoração da Páscoa, que havia sido em março no ano passado e passou para abril neste ano. Então a referencia está inchada. Supermercado foi um setor que teve grande impacto por causa do calendário", confirmou Lopes.

 

Segundo o pesquisador, para entender melhor o comportamento do varejo nos últimos dois meses, o ideal é tirar uma média da queda de 1,1% verificada em março e da ata de 6,7% registrada em abril. "Daria em torno de 6% a média de dois meses", calculou.

TAGS