PUBLICIDADE
Notícias

Telexfree recebeu quase R$ 1 bilhão no Brasil

Justiça conseguiu bloquear R$ 775 milhões, segundo denúncia nos EUA; empresa é acusada de ser uma pirâmide financeira

12:24 | 13/05/2014

Em menos de dois anos, cerca de R$ 988 milhões foram depositados em contas da Telexfree no Brasil, como mostrou uma reportagem publicada nesta terça-feira, 13, no portal de notícias IG. A empresa é acusada, aqui e nos Estados Unidos, de ser uma pirâmide financeira que atraiu cerca de 1 milhão de investidores no País.

O dado sobre o volume arrecadado pela Telexfree no Brasil foi divulgado pela promotoria do Estado de Massachusetts, nos Estados Unidos, na denúncia contra a empresa na Justiça americana, e é atribuído ao Ministério da Fazenda brasileiro. Procurada, a pasta não comentou a informação.

Na última sexta-feira (9), a promotoria de Massachusetts pediu a prisão dos donos da Telexfree – um deles, o brasileiro Carlos Wanzeler, que tem residência nos EUA, é considerado foragido pelas autoridades americanas. James Merrill, o outro proprietário, está preso. Se condenados, ambos podem pegar 20 anos de prisão.

A Polícia Federal, que investiga a Telexfree desde 2013, não se pronunciou.

Justiça bloqueou R$ 775 milhões, diz empresário

Wanzeler criou a Telexfree nos EUA em 2002, mas o negócio só ganhou corpo em 2012, quando chegou ao Brasil.  Com a promessa de prometia lucros expressivos a quem investisse no negócio – as taxas de adesão iam de R$ 660 a R$ 3 mil –, o negócio atraiu cerca de 1 milhão de pessoas até o bloqueio, determinado pela 2ª Vara Cível de Rio Branco em junho de 2013.

A promotoria de Massachusetts afirma, na ação contra a empresa, que recursos recebidos pela Telexfree no Brasil eram repassados para contas pessoais de Wanzeler no País. Dali, ele mandava o dinheiro para as contas que tem nos EUA. O valor dessas transações não foi divulgado.

Em depoimento a uma autoridade americana, Wanzeler afirmou que o bloqueio determinado pela Justiça brasileira atingiu cerca de R$ 775,5 milhões da empresa. Esse seria, em tese, o valor disponível para ressarcir quem não recuperou os investimentos feitos no negócio, como pede o Ministério Público do Acre (MP-AC) em ação civil pública movida contra a Telexfree.

A promotora Alessandra Marques, uma das responsáveis pelo caso, diz ainda desconhecer a quantia apreendida, e adianta acreditar que ela não será suficiente para cobrir todos os prejuízos.

O advogado Dany Cabral Gomes, que representa a Ympactus na ação, diz não poder comentar as informação financeiras da empresa pois elas estão sob sigilo, e confiar no resultado do julgamento.

Os advogados de Wanzeler e Merrill não responderam aos contatos da reportagem.

Redação O POVO Online

TAGS