PUBLICIDADE
Notícias

FGV: reajuste de luz pesará mais na inflação de maio

14:20 | 07/05/2014
Os reajustes nas tarifas de energia elétrica residencial foram um dos destaques no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de abril, no âmbito do IGP-DI. No mês passado, o item subiu 1,30%, contra queda de 0,04% em março. O resultado reflete aumentos observados em Belo Horizonte, Salvador e Recife.

Na capital mineira, o reajuste praticado pela Cemig a partir de 8 de abril fez com que a tarifa de energia no IPC subisse 13,45%. Em Salvador, a alta, em vigor desde 22 de abril, ficou em 2,84%. Já na capital pernambucana, restou apenas pequena parte do reajuste concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já que a nova tarifa passou a ser cobrada em 29 de abril (penúltimo dia de apuração do IGP-DI). Com isso, a tarifa de Recife subiu 1,37%.

O superintendente adjunto de Inflação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros, ressaltou ainda que boa parte do impacto desses reajustes ficou para maio, dada a magnitude das taxas (superiores a 10%), e deve começar a aparecer nos próximos IGPs. Além disso, novos aumentos podem entrar no radar do indicador, diante do calendário das distribuidoras.

No Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial de inflação mensurado pelo IBGE, o impacto pode ser ainda mais intenso, destacou Quadros. Isso porque a apuração da FGV é concentrada nas capitais, enquanto o IBGE coleta preços também nas regiões metropolitanas, onde outras distribuidoras têm pleiteado - e conquistado - aumentos maiores até que 20%. "O reajuste de energia elétrica pode perfeitamente ultrapassar 10% na média deste ano", disse Quadros.

TAGS