PUBLICIDADE
Notícias

ANP entra com ação contra Petrobras por arbitragem

13:00 | 05/05/2014
A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) entrou com ação judicial contra a Petrobras questionando a arbitragem internacional proposta pela estatal sobre o campo de Lula. A ação foi protocolada na Justiça Federal do Rio no último dia 29 de abril, segundo o comunicado da reguladora. O objetivo é suspender o procedimento aberto pela Petrobras na Câmara de Comércio Internacional para rever a decisão da ANP sobre a união dos blocos de Cernambi e Lula, na Bacia de Santos, num mesmo campo.

Em disputa está o pagamento de "participações especiais", uma forma de cobrança da União sobre as receitas de exploração da área. O valor é calculado proporcionalmente ao lucro auferido com a venda de petróleo produzido nas áreas demarcadas pela ANP, e não pelo volume produzido, como acontece com os royalties. Esse tipo de cobrança é feita apenas em áreas consideradas de alta rentabilidade para os consórcios.

A união de blocos representa um aumento na receita do consórcio explorador e consequentemente, do valor pago à União. Pelos cálculos da ANP, o valor poderia chegar a R$ 50 bilhões no período da concessão, de 35 anos. Segundo a agência, a mudança na composição dos blocos "significaria grave lesão para o erário brasileiro".

"A ANP protocolou, no dia 29/4, na Justiça Federal do Rio de Janeiro, ação anulatória do procedimento arbitral promovido pelos Concessionários do Bloco BM-S-11 - Petróleo Brasileiro S/A, BG E&P Brasil Ltda., e Petrogal Brasil S.A. requerendo ao Poder Judiciário a suspensão do procedimento arbitral", informou o comunicado da agência.

A Petrobras fez dois pedidos formais à ANP, na esfera administrativa, para a divisão dos blocos questionando o conceito adotado pela agência sobre a definição dos campos. Nas duas ocasiões, ainda em 2011, a agência rejeitou os pedidos e reforçou que a área seria considerada um único bloco, denominado de Lula. No último dia 9, em reunião da diretoria da agência, o pedido de arbitragem pela Petrobras foi considerado "ilegal". A petroleira foi notificada da decisão e teve cinco dias para desistir do processo, sob pena de ação judicial.

A área é explorada pelo consórcio formado por Petrobras, que tem 65% de participação, e pelas empresas BG (25%) e Petrogal (10%). A agência confirmou que a arbitragem está prevista no contrato de concessão, mas atende a critérios específicos que não se aplicariam ao caso. A agência não detalhou quais os critérios necessários para a abertura do processo.

TAGS