PUBLICIDADE
Notícias

Coeuré: BCE pode considerar compras de ativos

17:20 | 13/04/2014
Benoît Coeuré, membro do Conselho Executivo do Banco Central Europeu (BCE), disse que a instituição poderá estudar fazer compras de ativos para manter baixas as taxas de juro de longo prazo. "Caso uma acomodação monetária adicional seja necessária, é razoável considerar outras operações que visem reduzir o prêmio a termo. É aí que compras direcionadas e ativos entram no ferramental da política monetária", afirmou Coeuré durante a reunião de primavera do FMI.

Na primeira semana de abril, o BCE manteve sua taxa básica de juros em 0,25%, embora a inflação anual na zona do euro esteja em 0,5%, muito abaixo da meta de até 2%. Em seu comunicado, o BCE disse que os 24 integrantes de seu Conselho Diretor foram unânimes na disposição de usar ferramentas não convencionais, caso isso seja necessário.

"A questão diante da qual estamos é se as compras de ativos seriam a medida não convencional apropriada. E se concluirmos que elas seriam apropriadas, a questão, então se torna como poderíamos implementar essa política de modo que ela seja útil e que esteja de acordo com nosso mandato", disse Coeuré.

A carta de constituição do BCE o impede de financiar governos; isso não exclui compras de bônus governamentais, mas torna-as mais complicadas, já que existem 18 mercados de bônus diferentes na zona do euro. Recentemente, outros dirigentes do BCE, como Ewald Nowotny, presidente do BC da Áustria, sinalizaram que sua preferência seria por compras de títulos lastreados em ativos.

"A questão, nas compras de ativos na zona do euro, não seria a qualidade, e sim o preço", disse Coeuré. Isso diferenciaria o programa do BCE do chamado afrouxamento quantitativo da política monetária adotado pelo Federal Reserve, pelo Banco do Japão (BoJ) e pelo Banco da Inglaterra (BoE).

"Na prática, as compras naturalmente seriam vinculadas aos vencimentos de juros que sejam mais importantes para as decisões de investimento das empresas e de consumo dos domicílios. Na zona do euro, isso tende a ser da parte intermediária à longa da curva de juros", disse Coeuré. Fonte: Dow Jones Newswires.

TAGS