PUBLICIDADE
Notícias

Especialistas veem risco remoto de racionamento

09:00 | 10/01/2013
Embora o nível dos reservatórios esteja em níveis semelhantes aos de 2001, o País deverá escapar de um novo racionamento este ano. A diferença de agora é a participação das térmicas na matriz elétrica brasileira, que no começo da década era praticamente nula. A experiência passada também ensinou o País a reforçar o sistema de transmissão, possibilitando maior intercâmbio entre as regiões. Nada disso, no entanto, substitui a dependência pelas chuvas.

Apesar de o governo garantir que não haverá racionamento, especialistas são mais cautelosos. Analistas do JP Morgan, por exemplo, acreditam que há 10% de chance de o Brasil sofrer um novo racionamento. "O risco é limitado (por causa de todas as melhorias promovidas no sistema), mas não é insignificante", observa relatório da instituição.

A coordenadora do Núcleo de Energia do FGV in company, Gorete Pereira Paulo, também elogia os avanços ocorridos no sistema interligado nacional. "Há evidências de que não devemos chegar a uma situação de racionamento. Temos mais térmicas e o sistema de transmissão é mais robusto. Mas isso não elimina o fato de que os reservatórios precisam ser monitorados com cuidado."

"Essa história de que a chuva está vindo me preocupa", afirma o diretor-superintendente da Cosili Consultoria e Participações, Silvio Areco, ex-diretor da Cesp. Na avaliação dele, os reservatórios só estão em situação semelhante à de 2001 porque há uma quantidade maior de termoelétricas em funcionamento. "Se não houvesse geração térmica, estariam num nível bem abaixo de 2001."

O diretor da Coppe/UFRJ, Luiz Pingueli Rosa, acredita que as termoelétricas deveriam ter sido acionadas há mais tempo e não apenas no fim de outubro. "Eles deveriam ter antecipado a entrada em operação das usinas para julho. Assim, a situação estaria mais cômoda." Para o professor, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) contou com a chuva que não veio. "Isso é um jogo, uma aposta."

Outro avanço do sistema nacional foi a expansão do sistema de transmissão. Hoje se uma região está com problemas nos reservatórios, outros Estados podem transferir energia para ajudar no abastecimento local. Em 2001, o Sul do País tinha água abundante nos reservatórios e não pôde evitar o racionamento no Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste por falta de capacidade das linhas de transmissão. "A expansão da transmissão dá caminhos e alternativas para operar o sistema", diz Areco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

TAGS