Participamos do

MG: Golpista se desculpa com vítima e pede: 'Só não deseja meu mal'

A Pousada Santa Vila, na Serra do Cipó (MG), acredita ter sido vítima de um ataque hacker. O golpista pedia dinheiro para a reserva na pousada e parava de responder
21:25 | Mai. 05, 2022
Autor Camila Garcia
Foto do autor
Camila Garcia Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Após pagar para se hospedar em um hotel da Serra do Cipó, em Minas Gerais (MG), um homem foi vítima de um golpe virtual: na verdade, quem recebeu o dinheiro não trabalhava na pousada. Além de perder R$ 800, a vítima ainda recebeu um pedido de ‘desculpas’ via WhatsApp.

O pagamento foi feito por Rafael Ferreira da Costa, que pretendia ficar na pousada no final de semana passado. O consultor de sistemas, de 32 anos, chegou a ir até a pousada e bater na porta, chamando pelo golpista, que ele acreditava ser responsável pelo estabelecimento.

Golpista pediu desculpas à vítima de golpe da pousada em Minas Gerais
Golpista pediu desculpas à vítima de golpe da pousada em Minas Gerais (Foto: Reprodução / G1)


Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Por meio do chat do WhatsApp, o hacker pediu desculpas à Rafael, dizendo: "'Pow', irmão", "Desculpa de verdade", "Deus vai te abençoar" e "Só não deseja meu mal".

A vítima também tentou entrar em contato com o golpista pelas mensagens do Instagram.

Pelas DMs do Instagram, vítima pergunta se é golpe e golpista responde: "Haqueis"
Pelas DMs do Instagram, vítima pergunta se é golpe e golpista responde: "Haqueis" (Foto: Reprodução / G1)

 

Golpe da Pousada: O que fazer para denunciar

Rafael tentou registrar o BO por meio da delegacia virtual, e informou que irá presencialmente na delegacia prestar sua queixa.

Ao todo, no mínimo 14 reclamações foram feitas em relação ao golpe da pousada na Serra do Cipó. Eram oferecidas diversas amenidades pelo golpista, como hidromassagem e deck de piscina com espreguiçadeiras. Todas as refeições estavam incluídas nos preços informados pelo hacker: R$ 250 a diária.

Os preços reais de estabelecimentos semelhantes seriam de R$ 350 a R$ 700 por dia. A pousada Santa Vila declarou que foi vítima de um ataque cibernético, e que também sofreu perdas: "A Pousada Santa Vila lamenta profundamente o ocorrido e se solidariza com todos que foram afetados pelo golpe, do qual também é vítima. Informa ainda que tomou todas as providências possíveis para interromper a conduta criminosa, assim que tomou conhecimento dos fatos, e já acionou os órgãos responsáveis para identificação e punição dos autores desse crime", diz a nota oficial do estabelecimento.

De acordo com a Polícia Civil, o golpe da pousada constitui o crime de estelionato. Portanto, o boletim de ocorrência não é o suficiente: é necessário que as vítimas entrem com representação criminal para avançar nas investigações. A vítima deve procurar a delegacia mais próxima. No estado de Minas Gerais, existe outro aparelho ao qual recorrer: o Departamento Estadual de Combate à Corrupção e Fraudes.

Com informações do G1

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar