PUBLICIDADE
Curiosidades
alerta

Estudo sugere que lua cheia aumenta chances de acidentes fatais de moto

Os pesquisadores acreditam que a lua cheia interfere na concentração dos motoqueiros

18:49 | 15/12/2017

(Foto: Xavier Leoty/AFP)

Um estudo publicado na última segunda-feira, 11, pela revista British Medical Journal afirma que a lua cheia está relacionada com o risco de acidentes fatais envolvendo motocicletas em países como Canadá, Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Australia. A informação é do Uol.

(Foto: Xavier Leoty/AFP)

O artigo científico destaca a distração momentânea como um fator contribuinte comum para as mortes no trânsito. Os pesquisadores Donald Redelmeier, da Universidade de Toronto, no Canadá, e Eldar Shafir, da Universidade de Princeon, nos EUA, analisaram o poder da lua cheia na concentração dos motociclistas.

Nos EUA, por exemplo, esses acidentes representam cerca de 5.000 mortes ao ano, o equivalente a uma em cada sete mortes nas estradas e representante de um custo de US$ 12 bilhões, valor que corresponde, aproximadamente, R$ 36 bilhões.

Para a pesquisa, foram analisados os dados do registro oficial, de 1975 a 2014, de acidentes de veículos nos Estados Unidos. Acidentes fatais nas noites de lua cheia totalizaram 13.029 durante as 1.482 noites que foram avaliadas. Foram 494 noite de lua cheia e 988 noites de controle - que são uma semana antes uma depois da lua cheia. Homens de 32 anos sem capacete, que trafegavam por zonas rurais, estavam entre as principais vítimas.

Nas noites de lua cheia, foram contabilizadas 4.494 mortes, o que equivale a aproximadamente nove mortes diárias. Nas noites de controle, foram 8.535 mortes, o que representa cerca de oito casos por noite.

Por ser um estudo de observação, "nenhuma conclusão pode ser extraída", alertam os pesquisadores, visto que não levado em consideração outras formas de distração. Mas os profissionais afirma que o estudo serve como uma alerta para as pessoas que pilotam motos. Eles entendem que as pessoas devem prestar atenção para não sucumbir às distrações.

Redação O POVO Online