Fotos e vídeos serão verificados pelo Facebook com o objetivo de combater fake news
PUBLICIDADE
Notícias


Fotos e vídeos serão verificados pelo Facebook com o objetivo de combater fake news

Empresa vai realizar verificações em parceria com 27 agências de fact-checking, incluindo três brasileiras

18:02 | 13/09/2018
NULL
NULL
[FOTO1]
O Facebook anunciou nesta quinta-feira 13, mais uma medida de segurança visando combater a desinformação e o compartilhamento de notícias falsas. A empresa passa agora a verificar imagens e vídeos publicados em sua rede social. Anteriormente só eram verificadas publicações de textos e artigos.

[SAIBAMAIS]A novidade está sendo expandida para 27 parceiros de checagem de fatos em 17 países do mundo, incluindo o Brasil. A checagem vai funcionar da seguinte forma: através de algoritmos o sistema do Facebook indentifica publicações pontencialmente falsas e as encaminha para análise de agências de fact-checking. No Brasil, as agências são; AFP Brasil, Aos Fatos e Agência Lupa.

"Muitos de nossos parceiros de verificação de fatos de terceiros têm experiência na avaliação de fotos e vídeos e são treinados em técnicas de verificação visual, como pesquisa de imagem inversa e análise de metadados de imagem, como quando e onde a foto ou o vídeo foi tirado", explica o comunicado da empresa publicado em sua sala de notícias.
[FOTO2]
Com base em vários meses de pesquisa junto com agências parceiras, o Facebook vai classificar as imagens falsas em três categorias: "Manipulada ou Fabricada", quando a imagem ou vídeo são alterados para mudar o conteudo original; "Fora de Contexto", quando as imagens são reais, porém tem seu conteúdo usado ou retratado de forma errada; "Texto ou Áudio", que são quando as legendas de uma foto ou vídeo têm informações falsas.

"As pessoas compartilham milhões de fotos e vídeos no Facebook todos os dias. Sabemos que esse tipo de compartilhamento é particularmente atraente porque é visual. Dito isto, também cria uma oportunidade fácil para manipulação por maus atores", finaliza o comunicado do Facebook.
TAGS