PUBLICIDADE
Notícias

Conheça 5 curiosidades sobre o Apple Watch

Relógio já ajudou a solucionar caso de assassinato e salvou a vida um usuário; acompanhe a lista completa

16:10 | 18/05/2018
NULL
NULL
[FOTO1] 
Há pouco mais de três anos a Apple apresentou seus relógios inteligentes, os Apple Watchs. Hoje a empresa tem faturado alto com a venda desses smartwatchs, em 2017 as venda dos dispositivos subiram 54% em relação a 2016, chegando ao número de 18 milhões de unidades comercializadas em todo o mundo.

O Apple Watch apresenta uma série de funcionalidades e é bastante buscado por pessoas que praticam atividades físicas. Além de monitorar exercícios o relógio também auxilia em alguns cuidados com a saúde. O Tecnosfera preparou para você uma lista com 5 curiosidades sobre o gadget.

1 - Apple Watch ajudou a desvendar assassinato na Austrália

Segundo informações do portal ABC News, os dados cardíacos captados por um Apple Watch ajudaram a solucionar um caso de assassinato. O crime aconteceu na cidade de Adelaide, costa sul da Austrália. A vítima foi Myrna Nilsson de 57 anos, assassinada dentro de sua própria casa pela nora Caroline Nilsson de 26 anos.

O caso aconteceu em 2016, a polícia encontrou o corpo de Myrna na lavanderia de sua casa. A vítima foi espancada e amarrada em uma cadeira. A nora que estava com a sogra na casa alegou que também foi amarrada por um grupo de homens que invadiram a casa.
 
Após 20 minutos de discussão a sogra foi espancada até a morte, enquanto a nora conseguiu se soltar e pedir ajuda a um vizinho. As investigações do caso apuraram incossistência no depoimento da testemunha e os dados apresentados no Apple Watch utilizado pela vítima no momento do crime.
 
O tempo de 20 minutos estimado pela testemunha entre a discussão e as agressões foram desmentidos pelo relógio, que constatou apenas 7 minutos de elevação da frequência cárdiaca da vítima antes da parada total dos batimentos.
 
Por fim, novas evidências ajudaram a comprovar que a nora Caroline Nilsson foi a verdadeira responsável pela morte de Myrna Nilsson.
 
2 - Alerta salvou a vida de um usuário
[FOTO2]
Em 2 de maio de 2018, a companhia de televisão americana NBC noticiou o caso de um usuário que teve a vida salva graças ao seu Apple Watch. O funcionário de um boliche, William Monzidelis, 32 anos, sentiu-se mal durante seu expediente e foi ao banheiro.

Ao entrar no banheiro percebeu que estava tonto e logo foi alertado pelo seu Apple Watch, "procure um médico imediatamente". A mãe de Monzidelis o levou a um hospital. Durante o percurso o rapaz perdeu a consciência algumas vezes.

Ao chegar a unidade de saúde ele foi diagnosticado com uma úlcera em erupção. Logo recebeu transfusão de sangue e passou por uma cirurgia de emergência. Os médicos creditaram o alerta do relógio ao fato do paciente ter conseguido ser encaminhado a tempo de realizar o procedimento cirurgico, caso isso não tivesse acontecido ele poderia ter sangrado até a morte
 
3 - Pessoas tatuadas tem dificuldade de utilizar o relógio
[FOTO3]
Em 2015, pouco tempo após o lançamento da primeira versão do Apple Watch, usuários do Twitter e Reddit relataram o mal funcionamento do relógio no pulso de pessoas tatuadas. Segundo as informações do site The Verge, o Watch apresenta perda de conexão e informa resultados imprecisos de frequência cardíaca quando utilizado por pessoas com tatuagens no pulso.

A falha acontece principalmente em usuários com tatuagens escuras. A explicação para isso está relacionada aos sensores do aparelho, que utilizam espectros de luz para analisar o sangue de quem está utilizando. Qualquer tipo de pigmentação diferente presente na pele do usuário pode interferir nessa leitura e prejudicar o funcionamento do relógio.

Na época a Apple se manifestou através de seu site oficial para explicar a falha, "O sangue é vermelho porque reflete a luz vermelha e absorve a luz verde. O Apple Watch usa luzes verdes de LED emparelhadas com fotodiodos sensíveis à luz para detectar a quantidade de sangue que flui do seu pulso em um determinado momento. Quando seu coração bate, o fluxo de sangue em seu pulso – e a absorção de luz verde – é maior. Entre as batidas, ele é menor. Ao piscar as luzes de LED centenas de vezes por segundo, o Apple Watch consegue calcular o número de vezes que o coração bate a cada minuto", explica o comunicado.

4- Steve Jobs sabia sobre o Apple Watch?

O Apple Watch foi o primeiro produto lançado pela Apple após a morte de Steve Jobs, o icônico fundador e ex-presidente da empresa. Alguns rumores indicam que Jobs pouco sabia sobre o gadget que seria lançado pela gigante de Cupertino 3 anos após a sua morte.
 
Em entrevista ao Hodinkee Magazine, revista digital especializada em relógios, o designer da Apple, Jony Ive, revelou toda a história por trás do Apple Watch. Segundo Ive, o projeto do relógio inteligente começou a ser desenvolvido em 2012, poucos meses após a morte de Steve Jobs.

5 - Consegue detectar hipertensão e apneia do sono

Entre suas mais diversas funções, o Apple Watch é capaz monitorar seu sono e sua frequência cardíaca ao longo do dia. A Universidade da Califórnia e a startup Cardiogram realizaram um estudo em conjunto que comprova a eficácia do relógio em detectar hipertensão e apneia do sono. A pesquisa revelou que a precisão em casos de hipertensão é de 82%, enquanto em casos de apneia é de 90%.
 
 
 
 
TAGS