PUBLICIDADE
Notícias

Já acabou

14:17 | 09/12/2017

Não passa de cena política a rivalidade entre parlamentares do Governo e da oposição na CMPI da JBS que se encerra em dez dias. Além de depoimentos que em nada acrescentam às investigações da Polícia Federal e do Ministério Público, prevalece na comissão o compadrio e negociatas para sepultarem a convocação de envolvidos na rede de corrupção da JBS. Lula da Silva foi blindado logo no início por acordão entre partidos. E a presença de Joesley com seu silêncio foi suficiente para o recado ensurdecedor: se ele revelar o esquema de propina, complica centenas de parlamentares.

Mão e contramão

Foi selado o acordão: a oposição desistiu de convocar Henrique Meireles e Rocha Loures, o “homem da mala”; e governistas esqueceram Lula e Dilma Rousseff.

Adeus

O Itamaraty e Governo têm informações sigilosas de investigações da Interpol de que naufragaram no mar do Caribe os 12 brasileiros que tentavam entrar nos EUA.

Neocarioca

Dilma Rousseff tem ficado mais tempo no Rio de Janeiro que no bairro da Tristeza (que nome) em Porto Alegre. Mas em tempos de vaias e xingamentos, evita as ruas.

Frequência política

Enquanto o ministro do STF Gilmar Mendes não libera ao plenário a ação que questiona o controle de emissoras de rádio e TV por políticos, o Ministério Público faz a parte dele. Recomendou à Justiça a anulação da outorga da Rádio Mundo Jovem (FM 93,3 MHz) controlada pela família do deputado federal Arolde de Oliveira (PSC-RJ).

Em família

O MP apurou que o deputado foi sócio da emissora pelo período de 18 anos, até 2011, quando cedeu suas cotas para uma filha. O parlamentar, no entanto, de acordo com as investigações, “manteve o controle de fato e de direito do grupo” de comunicação. Casos similares se espalham pelo interior do País.

Bom dia!

Sindicalistas inovaram nos protestos contra a reforma da Previdência na quarta. Bloquearam a única via de saída de quadra residencial exclusiva de parlamentares em Brasília. Teve deputado sapateando no gramado para pegar táxi ou Uber em outra pista.

Memória

Dilma tem um carinho especial pelo Rio. É tanto.. que certa madrugada, quando chefe da Casa Civil de Lula, obrigou a FAB a levá-la de jatinho de Brasília para a cidade.

A dois

A deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) quer um tête-à-tête com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, para soltar o verbo contra a recente operação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais. PT e PCdoB têm forte influência na instituição.

Filtro

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu, enfim, colocar ordem na Casa e passar um “filtro” nas propostas que afetam os gastos públicos. Determinou à Comissão de Finanças e Tributação que devolva aos autores matérias que criem ou alterem despesas sem estimativas de impactos orçamentário e financeiro.

A grita..

Presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, o delegado Edivandir Paiva está irritado com a ação do Ministério Público Federal no STF que pede exclusividade para procuradores em tocar acordos de delação premiada.

..e a Lei

“Já vi declarações de procuradores extremamente contraditórias. O mesmo MP que fez campanha dizendo que quanto mais gente investigasse, melhor, agora quer subtrair da Polícia um importante mecanismo de Investigação, trazido pela Lei 12.850”.

É guerra

A Associação Nacional dos Procuradores da República, entidade máxima da classe, foi procurada e não comentou. Não é de hoje que o MP e a PF protagonizam um embate entre as categorias de procuradores e delegados.

Beltrame

Ex-secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame crava que não é apadrinhado de Aécio Neves na consultoria que faz à Vale. E que nunca teve vínculo com o senador. Aécio tem forte influência na empresa.

Ponto Final

“O Congresso é que nem feijão: só funciona na pressão”.
Do deputado Weliton Prado (MG), sobre protestos perto da residência de parlamentares

TAGS