PUBLICIDADE
Notícias

"Janela" causa sangria nos partidos

12:00 | 04/02/2016
A ‘janela partidária’ prevista para abrir no próximo dia 18 começa a causar sangria em todos os partidos, da base e oposição. O PSDB vai perder, por baixo, quatro deputados, entre eles Alfredo Kaefer (PR) e Delegado Valdir – embora negue, os pares confirmam saída, porque não terá a legenda para disputar a prefeitura de Goiânia. O senador tucano Alvaro Dias entra no PV, com sonho de disputar o Planalto, a exemplo do deputado Jair Bolsonaro, que troca o PP pelo PSC, pelo qual tentará primeiro, este ano, a prefeitura do Rio. Weliton Prado (MG) deixa o PT pelo Partido da Mulher Brasileira.

PP cresce

Caso curioso é o PP. Enrolado na Lava Jato, perde só dois deputados e vai ganhar cinco. “Imagina o que estão dando para esse pessoal entrar na legenda”, brinca um cacique.

Perfil ajuda

Um empresário de ideias sociais-liberais, Alfredo Kaefer estuda se filiar ao PSL, onde tem a garantia de protagonismo nacional com missão de rearranjo do partido.

Dia do Fico

Após especulações de que vai para o PSD, o deputado federal Jerônimo Goergen (RS) garante que fica no famigerado PP, por questões locais.

“Eu me prendo!”

É mesmo um Congresso pitoresco. O deputado Hildo Rocha (PMDB-MA) se deu voz de prisão na Casa. Isso mesmo. Na terça, ao saber que o motorista e assessor foram detidos pela Polícia Legislativa numa confusão, ele se apresentou ao chefe da Polícia, e ao ter pedido de soltura da dupla negado, declarou: “então eu me prendo!”. E ficou na sala-cela com os subordinados, de braços cruzados e beiço.

‘Habeas corpus’

Na pressa para ver a presidente Dilma, o deputado ordenara ao motorista que furasse o bloqueio da viatura da Polícia, e ele desviou o carro passando pelo gramado. Hildo subiu correndo, mas os assessores foram detidos em seguida. O impasse só terminou, sem auto de infração, com a ordem de Renan Calheiros de liberá-los.


Cautela no jogo

Surgiu em Londres o boato de que a presidente Dilma já tem uma MP para legalizar os bingos, cassinos e bicho, para não esperar a tramitação do projeto de lei no Congresso. O Planalto nega. Londres sedia a maior feira de jogos do mundo, e há comitiva de 50 brasileiros do setor por lá.

Decolou

O deputado federal Mauro Lopes (MG) será o ministro da Aviação. O nome é consenso do PMDB. Mas só será anunciado após a eleição do novo líder da bancada, dia 17.

Em baixa

No cargo e ganhando tempo, Eduardo Cunha está em baixa. “Recebi trinta ligações do Cunha hoje, não atendi uma”, desabafou o federal Saraiva Felipe (PMDB-MG).

Sem-teto oposição

Esnobado pela presidente Dilma, o líder da Frente Nacional de Luta Campo & Cidade, José Rainha (ex-MST), ganhou apoio dos opositores Eduardo Cunha e Paulinho da Força (SDD), que o levou também à liderança do DEM. Os sem-teto ainda ocupam o Desenvolvimento Agrário, o INCRA e 10 escritórios do órgão em Estados.

À própria sorte

O PT agendou reunião de bancada na Câmara no mesmo horário em que o ex-tesoureiro Vaccari Neto era ouvido na CPI dos Fundos de Pensão. Antes alvo de bajulação, Vaccari viu o auditório vazio de petistas, que passavam, davam um tchau e sumiam.

Tri-pecs!

Todos ‘amigos do peito’ de Lula, deputados se divertem às gargalhadas com um áudio humorístico de imitador do petista, tentando falar ‘triplex’ – em alusão à polêmica da cobertura no Guarujá. Já circula pela Whatsapp no Congresso.

Lula no xadrez

Dois parlamentares petistas aguardavam a chegada da presidente Dilma na terça e não escondiam a preocupação do avanço da operação Lava Jato sobre o ex-presidente Lula da Silva. “Não pode cair nossa principal peça do xadrez”, disse um deles.

É guerra, é lama..

Com exceção do deputado Laudívio (PMDB-MG), que ganhou de Eduardo Cunha a relatoria do novo Código de Mineração, os outros seis deputados do PMDB mineiro entregaram carta de apoio à recondução de Picciani como líder. Leonardo Quintão, membro da comissão, encabeçou movimento pró-Picciani e acusou Cunha de traidor.

Ponto Final

“Os movimentos sociais são a pedra fundamental de sustentação do Governo.”

Do líder do Governo na Câmara, deputado José Guimarães, que completa um ano no cargo.

Com Equipe DF, SP e Nordeste
TAGS