PUBLICIDADE
Notícias

Trincheiras opostas

12:00 | 31/01/2016
Permanecem em trincheiras opostas o ministro da Defesa, o comunista Aldo Rebelo, e o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas. O motivador da batalha declaratória, novamente, é o orçamento enxuto previsto para a pasta este ano, que pode afetar ações das Forças Armadas. Há dias, Villas Bôas soltou o verbo na posse do comandante militar do Sul, Edson Pujol, em Porto Alegre. Em tom conciliador e lacônico, o ministro Aldo Rebelo rebate o oficial: “Não vamos interromper nem comprometer nenhum programa. Todos serão mantidos”, garantiu à Coluna.

Cofre vazio

“Pode provocar a interrupção de projetos, com enorme prejuízo à continuidade e perda de tecnologia. Há restrições no nosso funcionamento no dia a dia”, disse Villas-Bôas.

Fronteiras abertas

O general também salientou que o que mais preocupa é o Sistema Integrado de Monitoramento das Fronteiras (Sisfron). O ministro afirma que o programa é prioridade.

Desconexão

Em audiência no Senado no fim de 2015, o comandante do Exército já fizera duras críticas aos cortes na Defesa e ao Governo, sobre mau combate ao narcotráfico.

Soldado obediente

Ao ser indagado de quem partiu a ordem para as Forças Armadas descruzarem os braços e assumir o front da guerra de combate Aedes aegypti, o ministro Aldo desconversou em papel de soldado: “Não fiz essa pergunta à presidente ou ao ministro da Saúde (Marcelo Castro). Cumpro funções que me são delegadas”. Aldo está no cargo porque é dos poucos políticos admirados e respeitados pelos militares.

Promotor-profeta

Preso Lava Jato desde Abril, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto reafirma, por meio dos advogados, que são “infundadas” as denúncias de corrupção na Cooperativa Habitacional dos Bancários, à qual presidiu entre 2005 e 2010. O promotor José Carlos Blat, do MP paulista, prenunciou: “A Bancoop é uma organização criminosa”.


Irresistível!

“Um convite irresistível ao melhor da vida” é o slogan publicitário do Condomínio Solaris, no Guarujá, alvo da PF, onde há suspeita de que um triplex seja de Lula. O conjunto de prédios luxuosos foi erguido pela Bancoop e deixou na mão 3 mil famílias.

Viaturas no pátio

A escalada de violência na Asa Sul, bairro nobre de Brasília, tem um motivo. O policiamento na região está reduzido por falta de viaturas. Enquanto famílias sofrem assaltos ou são reféns de sequestro-relâmpago, os veículos estão arriados nos batalhões.

Dever de casa
Vergonhoso o perfil de corrupto do Brasil delineado pela ONG Transparência Internacional. “Novas máfias” podem “se apoderar uma vez mais das estatais”, diz a entidade, ao mencionar o escândalo da Petrobras como justificativa para o que taxou de “a maior piora no ranking internacional da corrupção”.
Zika na folia
Mais de 9 meses depois de identificado o primeiro caso de Zika Virus no Brasil, o Governo resolveu convocar oficialmente as Forças Armadas para conter proliferação epidêmica do mosquito. Mas nada no Brasil funciona antes do Carnaval, nem em situações emergenciais. A “guerra” contra o Zika só começa dia 13 de fevereiro.
Quem vai ?
Mesmo diante de cortes, a presidente Dilma baixou decreto e decidiu abrir embaixada do Brasil em Cabul, no Afeganistão. Quem será o corajoso, ou promovido forçadamente, ainda é um mistério


Com Equipe DF, SP e Nordeste
TAGS