PUBLICIDADE
Notícias

Legalização dos jogos pode render R$ 18 bi em impostos

12:00 | 22/09/2015
Há três anos circula no Congresso a proposta informal de defensores da legalização dos jogos como forma de reforçar o caixa da União, mas só agora o Governo começa a ceder – embora longe do consenso nas bancadas. Maior especialista no tema no Brasil, Magno José, presidente do Instituto Jogo Legal, diz que os políticos subestimam o poder de arrecadação na legalização de bingos, cassinos e até Jogo do Bicho. ‘O potencial do mercado de jogo totalmente legalizado pode girar em torno de R$ 60 bilhões. Isso renderia até R$ 18 bilhões por ano à União’.

Carteira assinada
Magno ainda cita o número de empregos formais que o mercado teria: 350 mil apenas no Jogo do Bicho. E 150 mil, por baixo, em bingos e cassinos.

Mundo de olho
A notícia da possibilidade da volta de bingos e cassinos começou a correr o mundo. Mas os ‘players’ do setor desconfiam porque as tentativas anteriores foram ruins.

Aqui, como lá!
A turma dos jogos pode aportar no Brasil bilhões de reais, apenas nas construções de hotéis e cassinos, mas exige segurança jurídica e legislação similar a de seus países.

Uber legal..
Relator do projeto que vai regulamentar o Uber no Código de Trânsito Brasileiro, o deputado federal Hugo Leal (PROS-RJ) ainda vê insegurança jurídica no serviço prestado, mas aponta a legalidade. Ele recebeu o representante da empresa americana.

..e tributado
O novo texto do CTB incluirá permissão para uso de ‘plataformas digitais’ no serviço de transporte. Para evitar grita dos taxistas, que pagam ISS mensal por estimativa, a proposta vai incluir a taxação de 1,5% de cada serviço do Uber, com dinheiro destino a fundos municipais de mobilidade. Isso terá de ser regulamentado por leis municipais.

Oh, Pátria amada
A jornalista e cientista política Cláudia Cataldi mandou para o prelo um livro sobre o Hino Nacional. O prefácio será do ex-presidente Fernando Henrique. ‘As pessoas precisam saber mais sobre o Hino’. A ideia é vender para escolas, principalmente.

Imortais
O ex-presidente FHC vai votar em Domício Proença para a presidência da ABL na vaga de Geraldo Cavalcanti em dezembro. A campanha de Proença é feita por Murilo Mello.

Indústria da invasão
Seguranças de imóveis vizinhos ao Hotel St Peter em Brasília testemunharam a chegada de duas picapes de luxo, com mantimentos, na madrugada da invasão dos sem-teto.

Os fisiológicos
O presidente do PDT, Carlos Lupi, soltou o verbo contra o deputado estadual Wagner Montes (RJ), o apresentador de TV, ao citar fisiologismo em Governos. Se disse decepcionado com o filiado. Lupi fala em ‘desquite amigável’ com a presidente Dilma. ‘Nossa relação sempre foi entre tapas e beijos’, diz o presidente.

Visão extra
Grandes empresários estão preocupados com gestão de seus governadores, vários deles com crise de caixa devido a atos inconsequentes, como gastos excessivos. O caso de Brasília é peculiar. Compõe um conjunto de desastres em especial de Agnelo Queiroz

Deu no que deu
A gestão de Joré R. Arruda & Paulo Octavio segurou a barra sem desvalorizar as categorias. Controlou a situação ciente da responsabilidade de não encrencar o Governo e sucessores. Mas os dois governadores seguintes concederam aumentos generosos a categorias e deixaram Rollemberg sem dinheiro para investir.

Aborto em pauta
O pau quebra hoje e amanhã na CCJ da Câmara, entre conservadores e progressistas. A comissão analisa projeto de lei do deputado Evandro Gussi que criminaliza penalmente quem propagandeia ou incentiva aborto.

Alô, turma do jaleco
Um ponto discreto do projeto tornou-se o temor de médicos e enfermeiros. Também criminaliza os profissionais que promoverem o aborto. Hoje, o procedimento é aceito na rede hospitalar em caso de risco à saúde da gestante. Se passar, a turma fica enquadrada.

Ponto Final
Com o financiamento público, os políticos ruins conquistaram o céu: nós pagamos a oficial, e eles continuam a receber das empresas pelo caixa 2.

Com Equipe DF, SP e Nordeste
TAGS