PUBLICIDADE
Notícias

MP aciona governador Agnelo por rombo record no País

12:00 | 19/12/2014

Após dois meses de denúncias e indicações do déficit bilionário que o governo deixará para o sucessor, o Ministério Público do DF e Territórios enfim acionou o governador Agnelo Queiroz (PT) na Justiça. O Processo 2014.01.1.196733-0 por improbidade administrativa tramita na 1ª Vara de Fazenda Pública e requer R$ 100 mil de indenização aos cofres públicos. Um montante acanhado diante do rombo deixado pela gestão do petista: algo em torno de R$ 5 bilhões, constatou a equipe de transição do governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB).

Só cresceu
Durante a campanha eleitoral o Governo do DF começou a indicar discretamente a crise nos cofres. Há três meses, havia R$ 1,3 bilhão em dívidas represadas para fornecedores.

Indicativo 
Há um mês Agnelo praticamente sentenciou a falência da má gestão ao proibir, por decreto no D.O., novos gastos com servidores, como treinamentos e viagens a trabalho.

Porta aberta!
A ação do MP surge como precedente perigoso para os governadores que estão deixando as contas com rombo.
 
Sexteto, e só
O presidente do PMDB, senador Valdir Raupp, confirmou que o partido  ficará mesmo com seis ministérios, incluindo o da neófita Kátia Abreu (PMDB-TO), futura comandante da Agricultura. O nome dela, pelo menos para o Palácio do Planalto, se manterá firme, apesar de o MST e certos petistas continuarem contrariados.

Em baixa
No discurso de despedida proferido pelo senador José Sarney (PMDB-AP), havia apenas sete senadores pouco antes das 16h, quando o encerrou. Revezaram-se 17 durante a fala. Mas a ausência sentida foi a do presidente Renan Calheiros (PMDB-AL).

.. Mas com pose
A despeito de todas as críticas ao ex-presidente da República, como fisiologismo federal e domínio do Maranhão, o senador que se despede da vida pública tem seus méritos. Como presidente, segurou a transição democrática com os militares após a morte de Tancredo Neves, e valorizou muitas carreiras dos servidores públicos. 

Coringa na mesa
A oposição incluiu o nome da presidente Dilma Rousseff na mesa, antes da reunião da CPMI da Petrobras na quarta-feira.  A intenção é indiciá-la no relatório paralelo.
 
Campos faz falta
Não convidem para a mesma no restaurante Leite, no Recife, o governador atual de Pernambuco João Lyra e o futuro, Paulo Câmara. Eles não se falam e a crise é braba.
 
Campos faz falta 2
O governador eleito de Pernambuco se queimou com Fernando Bezerra, veterano político que, além do mandato, terá um deputado federal e outro estadual de sua cota. Câmara pedira a FBC indicação para uma secretaria, foi atendido e recuou. 
Por telefone.

Novo (velho) governo
Julio Peres será Secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos do governo do DF. Empresário do ramo da construção civil, Presidente do Sinduscon, tem fortes relações com o ex-governador preso José Roberto Arruda, inclusive é sua testemunha de defesa no processo da Operação Caixa de Pandora. E primo da esposa de Arruda. 

Marina nos bastidores
Rogério Marinho lança o livro biográfico de Ricardo Young, que promete ser o primeiro livro que se ‘propõe a destrinchar a nova política que a Marina Silva e os outros líderes da Rede Sustentabilidade’. E trará bastidores da campanha de 2014.

País do esculacho
O salário mínimo vai subir de R$ 724 para R$ 788 ou 8,84%. Enquanto o Congresso, com deputados e senadores que você elegeu, trata aumentar o salário dos próprios, de ministros da Esplanada e do Judiciário de R$ 28 mil para R$ 33 mil – ou 20%.

Apoio do coldre
A ADPF e a Associação dos Delegados de Polícia Civil soltaram nota a favor da escolha do deputado federal Bernardo Campos (PR) para secretário de Defesa Social do futuro governo de Fernando Pimentel em Minas. A indicação foi vista com desconfiança por parte do setor no Estado, por ele não ser da área. 

No Cafezinho
Celebrado como o penetra-mor do Cafezinho da Câmara, o deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ) comemora com colegas o entusiasmo de ter gravado Penetras 2 para o cinema.

Ponto Final
A ONG Reporteres Sem Fronteiras, que inclui Cuba no primeiro lugar de Países contra a liberdade de imprensa, faz um questionamento plausível: quando haverá a ‘abertura’ com os jornalistas

Com Equipe DF, SP e Nordeste
TAGS